ESPECIALIDADES
FICOU COM DÚVIDAS? ENTRE EM CONTATO
Adolescente
Psicoterapia para Adolescentes   Como na psicoterapia para crianças, o principal objetivo da psicoterapia comportamental para adolescentes é promover mudanças no comportamento. Mudar o comportamento significa ajudar o adolescente a se tornar consciente, ou seja, discriminar a função dos comportamentos em sua vida e decidir muda-los para obter uma vida melhor.  As sessões com os adolescentes são individuais, mas há possibilidades dos pais serem chamados para algumas sessões em conjunto, por isso, é de extrema importância a participação dos pais nesse processo.   
Adulto
Psicoterapia para Adultos   A psicoterapia comportamental para adultos também tem como foco a mudança de comportamentos disfuncionais que estão lhe trazendo sofrimentos psíquicos, emocionais e físicos. Há momentos da vida, que nos deparamos com situações onde é difícil lidar sozinho com os problemas, por isso, faz-se necessário a ajuda de um profissional. A psicoterapia oferece a oportunidade de o paciente entrar em contato consigo mesmo, aprofundando seu autoconhecimento, melhorando sua comunicação e autoestima, dentre outros objetivos.   
Últimas Notícias

Síndrome de Burnout


O QUE É? Nos dias de hoje, é comum conhecer alguém que sofre com constante crises de estresse, mas quero falar aqui de um estresse que é gerado pelas condições desfavoráveis no trabalho, que vem deixando cada vez mais pessoas adoecidas, ocasionado muitas vezes, pela má administração das empresas, chefes abusivos, autoritário e que não respeitam seus funcionários, ambiente laboral em más condições, funcionários com sobrecarga de tarefas e funções, rotina exaustante, dentre diversos outros fatores. A Síndrome de Burnout também é conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional. O termo Burnout foi criado pelo psicanalista Herbet Freudenberger em 1974 para descrever o adoecimento que ele observou em si mesmo e em seus colegas no ambiente de trabalho.
Essa doença é causada por vários fatores, ocorrendo principalmente em indivíduos que se sentem exaustos psicologicamente, emocionalmente e fisicamente, devido ao estresse excessivo provocado pelo trabalho. Como consequência, essas pessoas acabam tendo uma vida profissional desgastante, sobrecarregada, com pouco tempo livre, muitos deveres e poucos prazeres.
Essa síndrome é muito comum em profissionais que tem que lidar com pressão e responsabilidades constantes.

SINTOMAS
Dor de cabeça, enxaqueca, cansaço, palpitação, ataques de pânico, isolamento, desânimo, mudanças de humor, irritabilidade, baixa autoestima, depressão, ansiedade, lapsos de memória, dificuldade de concentração, mau humor, dores musculares, insônia, pressão alta, diminuição no rendimento, desorganização, erros constantes, diminuição do entusiasmo e prazer pelas coisas, ganho ou perda de peso, bruxismo (ranger dentes durante o sono), restless legs (pernas intranquilas), olheiras, diminuição da libido, distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares.
Quando o paciente com Síndrome de Burnout faz o tratamento de forma adequada podem surgir sinais de melhora, como maior rendimento no trabalho, maior confiança, diminuição dos sintomas apresentados. Porém, quando o paciente não faz o tratamento, sinais de piora podem surgir, como a perda total da motivação em relação ao emprego, faltas frequentes, desenvolvimento dos sintomas de forma mais avançada.

TRATAMENTO
O tratamento inclui Psicoterapia e dependendo do caso, uso de antidepressivos. Além disso, faz-se necessário uma mudança na rotina do paciente, atividades físicas, dormir e alimentar-se bem, manter uma vida social satisfatória, e exercícios de relaxamento devem entrar para a lista, pois, ajudam a controlar e aliviar os sintomas.
O tratamento psicológico é muito importante para quem possui a Síndrome de Burnout, pois o psicoterapeuta ajuda o paciente a encontrar estratégias para combater o estresse, ajudando a aprofundar seu autoconhecimento e a ganhar mais segurança no seu trabalho.
LEIA MAIS

TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo


O QUE É TOC?
O TOC é um transtorno mental caracterizado pela presença de obsessões, compulsões ou ambas. As obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos que vem à mente da pessoa causando acentuada ansiedade ou desconforto independente da vontade do indivíduo. Muitas vezes a pessoa percebe que suas ideias não tem sentido, mas mesmo assim não consegue evitar de pensá-las. Como resposta a esse desconforto, o indivíduo executa rituais ou compulsões com intenção de afastar ameaças ou aliviar algum desconforto. Se a pessoa não executa o ato compulsivo ela fica muito ansiosa.
Apenas uma mania não indica necessariamente que a pessoa sofra da doença. O que caracteriza o TOC são obsessões ou compulsões recorrentes, que consomem tempo e causam sofrimento à pessoa. Quando estes atos ao invés de ajudar ao indivíduo passam a tomar muito tempo do dia e a interferir negativamente na rotina da pessoa, tornam-se doenças. É importante analisar se os tais hábitos repetidos comprometem o rendimento, já que o tempo de trabalho, por exemplo, é gasto com as manias ou com os pensamentos que as envolvem.

SINTOMAS
O TOC pode ser identificado em indivíduo que tem compulsões frequentes como lavar as mãos várias vezes ao longo do dia, medo exagerado de se contaminar, gerando preocupações excessivas com limpeza e higiene pessoal, verificar se a porta está trancada revisando tal ato repetidas vezes, executar minuciosamente uma série pré-programada de atos, questionar uma informação repetidamente para ver se está correta, ficar aflito por que as roupas não estão bem arrumadas no guarda-roupa, separadas por cor ou posicionados simetricamente, não passar em certos lugares com receio de que algo de ruim possa acontecer, com isso os indivíduos que tem esse transtorno procuram evitar o contado com determinados locais (por exemplo, banheiros públicos, hospitais, cemitérios), objetos que outras pessoas tocam (dinheiro, telefone público, maçanetas) ou até mesmo pessoas (mendigos, pessoas com algum ferimento) como forma de obter alívio dos seus medos e preocupações. Em geral, os rituais  se desenvolvem nas áreas da limpeza, checagem ou conferência, contagem, organização, simetria, colecionismo, e podem variar ao longo da evolução da doença. Esses são alguns dos exemplos de sintomas característicos desse transtorno.
Vale ressaltar que, para que seja estabelecido o diagnóstico de TOC  é necessário que as obsessões ou compulsões consumam um tempo razoável (por exemplo, tomam mais de uma hora por dia) ou causem desconforto, comprometendo a vida social, ocupacional, acadêmica ou outras áreas importantes do funcionamento do indivíduo.

CAUSAS
A causa mais comum é a genética, quando alguém da família sofre ou sofreu desse tipo de transtorno, é comum verificar outras pessoas com o mesmo transtorno ou parecido. Estudos apontam para uma anomalia multifatorial devido um problema de comunicação em algumas áreas do cérebro ligadas à serotonina. Fatores psicológicos também estão entre as possíveis causas desse distúrbio de ansiedade. Como muitas das causas do TOC ainda são desconhecidas, não é possível falar de uma cura definitiva deste transtorno. No entando, existem tratamentos que podem amenizar os seus sintomas ou mesmo facilitar o convívios com eles, como é o caso da psicoterapia.

TRATAMENTO
O tratamento do transtorno obsessivo compulsivo envolve a combinação de medicamentos e psicoterapia. A psicoterapia mais estudada é a terapia comportamental, através da qual o paciente é estimulado a controlar seus pensamentos obsessivos e rituais compulsivos, auxiliando também o paciente a lidar com as situações de ansiedade que agravam a doença.
O percurso desse transtorno evolui com períodos de melhora e piora e com o tratamento adequado há um controle satisfatório dos sintomas.   
LEIA MAIS

Comportamento Passivo


O que é? O comportamento passivo significa a não expressão de sentimentos, necessidades, direitos e opiniões próprias. Um dos objetivos do comportamento passivo é de evitar conflitos e conseguir agradar aos outros a todo o custo. Alguma vez você já sentiu culpa por dizer não ao pedido de alguém? Deixou de reivindicar um direito seu, como por exemplo. não cobrar um dinheiro que lhe deviam? Não colocou suas vontades e necessidades em primeiro lugar? Pois bem, esses são alguns exemplos de comportamentos passivos, que, acabam fazendo mal a saúde emocional do indivíduo. Muitas das pessoas passivas são vistas como "o bonzinho", e por não se manifestarem, em algum momento acabam sendo abusados ou explorados por isso.  Na maioria dos casos, por trás de atitudes passivas, existem medos de não ser aceito, aprovado, amado, dentre outras preocupações.    Características de uma pessoa passiva Necessidade de agradar a todos, com isso acabam cedendo com facilidade a pedidos de outras pessoas e fazendo muitas vezes coisas que não querem fazer; Tendência a evitar conflitos a qualquer custo; Dificuldade para tomar decisões; Dificuldade para assumir responsabilidades; Hábito de ficar sempre na zona de conforto; Medo de se arriscar, perdendo diversas oportunidades; Dificuldade para lidar com desafios e pressão; Tendência a desenvolver alguma dependência emocional; Não defendem os seus direitos; Muitas das pessoas são tímidas, quase não falam, quando falam se expressam em um tom de voz muito baixo, caguejam ou ficam com a voz trêmula.    Consequências em agir passivamente Há muitas consequências em agir passivamente, principalmente as doenças psicossomáticas.  Cito aqui alguma das consequências mais comuns que vejo em pacientes com esse estilo de comportamento: Perca contínua da auto-estima, tensões internas crescentes causando stress, irritação, dores de cabeça, dores no corpo, gastrite e até depressão. Existem alguns efeitos positivos imediatos do comportamento passivo, mas os efeitos negativos são mais agravantes, e prejudicam a saúde física e emocional da pessoa.   Tratamento Para corrigir o comportamento passivo, é preciso desenvolver um outro estilo de comportamento: o chamado comportamento assertivo. Uma pessoa assertiva sabe se comunicar de forma segura e passar sua mensagem sem manipular os outros. Uma das principais características de uma pessoa com comportamento assertivo é a habilidade de dizer “sim’ quando esta for a resposta mais adequada, mas também ser capaz de dizer “não” sempre que necessário. A pessoa não tem a necessidade de agradar, ser aprovada e reconhecida por todos, pois reconhece seu potencial e sabe lidar com suas fraquezas e limitações sem se sentir inferior. Obviamente, as pessoas que adotam um comportamento assertivo são as que têm maiores chances de sucesso em todas as áreas de suas vidas Na psicoterapia comportamental você irá aprender técnicas para desenvolver o comportamento assertivo, se expressar melhor, e melhorar seu relacionamento interpessoal.  Procure uma psicóloga em Maringá.
LEIA MAIS
Precisa de ajuda?
Então esta esperando o que? Agende um horário!