ESPECIALIDADES
FICOU COM DÚVIDAS? ENTRE EM CONTATO
Adolescente
Psicoterapia para Adolescentes   Como na psicoterapia para crianças, o principal objetivo da psicoterapia comportamental para adolescentes é promover mudanças no comportamento. Mudar o comportamento significa ajudar o adolescente a se tornar consciente, ou seja, discriminar a função dos comportamentos em sua vida e decidir muda-los para obter uma vida melhor.  As sessões com os adolescentes são individuais, mas há possibilidades dos pais serem chamados para algumas sessões em conjunto, por isso, é de extrema importância a participação dos pais nesse processo.   
Adulto
Psicoterapia para Adultos   A psicoterapia comportamental para adultos também tem como foco a mudança de comportamentos disfuncionais que estão lhe trazendo sofrimentos psíquicos, emocionais e físicos. Há momentos da vida, que nos deparamos com situações onde é difícil lidar sozinho com os problemas, por isso, faz-se necessário a ajuda de um profissional. A psicoterapia oferece a oportunidade de o paciente entrar em contato consigo mesmo, aprofundando seu autoconhecimento, melhorando sua comunicação e autoestima, dentre outros objetivos.   
Últimas Notícias

Bulimia


O que é? Bulimia é um distúrbio alimentar que gera na pessoa uma compulsão muito grande em ingerir muita comida e, logo após, é tomada por um sentimento de arrependimento ou de medo de engordar, fazendo com que recorra a meios de eliminar o que foi ingerido. Dentre esses meios, os mais comuns são a indução de vômitos, o consumo de laxantes e diuréticos ou a excessiva prática de exercícios. A doença pode ser catalogada em duas diferentes maneiras: - Bulimia com expurgação: A pessoa regularmente auto-induz o seu vômito ou faz uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas após comer compulsivamente. - Bulimia sem expurgação: Utilização de outros métodos para se manter livre das calorias e evitar o ganho de peso, como a prática do jejum, dieta rigorosa ou exercício excessivo. Pessoas com bulimia estão sempre preocupadas com a aparência, principalmente com o peso. O paciente não consegue aceitar seu corpo da forma como ele é, ou tem a impressão de que está acima do peso em níveis acima da realidade. Isso pode levar a um quadro de ansiedade, que faz a pessoa buscar maneiras bruscas de perder peso rapidamente, ao mesmo tempo em que busca conforto na comida.  O que diferencia a bulimia de outros transtornos alimentares é o comportamento de tentar livrar-se do que comeu regularmente, independentemente de como exatamente isso acontece. A ênfase está sempre na eliminação de calorias extras com objetivo de evitar ganho de peso ou para alcançar a perda de peso.     Causas Muitos fatores podem estar envolvidos nos motivos que levam à sua ocorrência. A influência exercida pela mídia sobre o comportamento e o padrão de beleza das pessoas também pode estar entre as possíveis causas da bulimia. O culto ao corpo magro e o desprezo às pessoas acima do peso pregado pela indústria da beleza e da moda, aparentemente, levam milhões de pessoas em todo o mundo a apresentar quadros de bulimia. Fatores genéticos, psicológicos, traumáticos, familiares, sociais ou culturais podem contribuir para seu desenvolvimento.  A genética também pode ser um fator de risco para a bulimia. Estudos mostram que ter um parente com bulimia pode favorecer o desenvolvimento da doença. No entanto, ainda não está certo se é um fator genético que predispõe à bulimia ou o comportamento familiar que favorece a doença.     Sintomas Preocupação excessiva com o peso e com a silhueta; Ter medo de ganhar peso; Perder o controle sobre o que come; Comer em excesso até sentir desconforto ou dor; Forçar o vômito após comer; Usar suplementos diários de perda de peso;. Apresenta sintomas de desnutrição, tais como: tontura, desmaio, fadiga, sono ou insônia e inchaço no corpo; Emagrecimento súbito; Vômitos após as refeições: a pessoa pode ir ao banheiro logo após se alimentar e permanece por lá por muito tempo; Uso de laxantes e diuréticos: alguns sinais podem ser apresentados por conta dessa prática, como queixas de cólicas abdominais, inflamações anais ou descontrole intestinal.     Efeitos colaterais Um dos efeitos colaterais mais perigosos e comuns da bulimia são os danos causados ao sistema digestivo, uma vez que comer demais e depois se livrar do alimento têm efeitos negativos sobre a produção de enzimas digestivas, equilíbrio de fluidos e níveis de eletrólito. Vomitar e tomar laxantes podem levar a desequilíbrios eletrolíticos e químicos, que causam efeitos em cascata em outros sistemas e órgãos, como um batimento cardíaco anormal e sintomas de depressão. Ao mesmo tempo, altas quantidades de estresse juntamente com deficiências de nutrientes podem alterar os níveis hormonais e alterar o funcionamento do neurotransmissor. Alguns dos efeitos negativos da bulimia nervosa para a saúde são: > Desequilíbrio de potássio e sódio, uma vez que o vômito/purga pode alterar os balanços de nutrientes, eletrólitos e fluidos chave; > Batimentos cardíacos irregulares e maior probabilidade de ataques cardíacos, insuficiência cardíaca e morte devido a um desequilíbrio eletrolítico; > Desidratação, que pode afetar negativamente a digestão, capacidades mentais, movimentos musculares e funcionamento do coração; > Capacidade reduzida de digerir os alimentos corretamente e absorver nutrientes; > Problemas para ir ao banheiro normalmente, incluindo estômago inchado, constipação e diarreia, causada por tomar laxantes e alterar os níveis de enzimas e eletrólitos; > Maior risco de úlceras e rupturas gástricas; > Maior probabilidade de ter mudanças de peso que afetam negativamente a tireoide e a saúde hormonal; > Maior probabilidade de lidar com infertilidade e menstruações irregulares; > Diminuição da resposta imunológica a infecções ou doenças mais comuns; > Maior risco de depressão, transtornos de ansiedade e suicídio; > Níveis mais elevados de inflamação, o que pode aumentar o risco de várias doenças crônicas; > Cárie dentária grave.     Tratamento O tratamento depende da gravidade da bulimia, assim como a resposta da pessoa aos tratamentos.  Se você acha que pode ter, ou tem bulimia, a melhor coisa que você pode fazer é procurar ajuda profissional. A psicoterapia é oferecida para aqueles que sofrem desta condição para ajudá-los a recuperar o controle sobre seus pensamentos e ações. A terapia comportamental funciona muito bem no tratamento de distúrbios alimentares, tais como bulimia. Durante este tipo de tratamento, o psicólogo especializado irá trabalhar com você para ajudá-lo a aprender a reconhecer as formas com que o alimento faz você se sentir e como mudar seus comportamentos em resposta a essas emoções. O processo é doloroso e exige um trabalho árduo da parte do paciente e de sua família. Admitir que você tem um problema é o primeiro passo para obter tratamento.   
LEIA MAIS

Comportamento Passivo


O que é? O comportamento passivo significa a não expressão de sentimentos, necessidades, direitos e opiniões próprias. Um dos objetivos do comportamento passivo é de evitar conflitos e conseguir agradar aos outros a todo o custo. Alguma vez você já sentiu culpa por dizer não ao pedido de alguém? Deixou de reivindicar um direito seu, como por exemplo. não cobrar um dinheiro que lhe deviam? Não colocou suas vontades e necessidades em primeiro lugar? Pois bem, esses são alguns exemplos de comportamentos passivos, que, acabam fazendo mal a saúde emocional do indivíduo. Muitas das pessoas passivas são vistas como "o bonzinho", e por não se manifestarem, em algum momento acabam sendo abusados ou explorados por isso.  Na maioria dos casos, por trás de atitudes passivas, existem medos de não ser aceito, aprovado, amado, dentre outras preocupações.    Características de uma pessoa passiva Necessidade de agradar a todos, com isso acabam cedendo com facilidade a pedidos de outras pessoas e fazendo muitas vezes coisas que não querem fazer; Tendência a evitar conflitos a qualquer custo; Dificuldade para tomar decisões; Dificuldade para assumir responsabilidades; Hábito de ficar sempre na zona de conforto; Medo de se arriscar, perdendo diversas oportunidades; Dificuldade para lidar com desafios e pressão; Tendência a desenvolver alguma dependência emocional; Não defendem os seus direitos; Muitas das pessoas são tímidas, quase não falam, quando falam se expressam em um tom de voz muito baixo, caguejam ou ficam com a voz trêmula.    Consequências em agir passivamente Há muitas consequências em agir passivamente, principalmente as doenças psicossomáticas.  Cito aqui alguma das consequências mais comuns que vejo em pacientes com esse estilo de comportamento: Perca contínua da auto-estima, tensões internas crescentes causando stress, irritação, dores de cabeça, dores no corpo, gastrite e até depressão. Existem alguns efeitos positivos imediatos do comportamento passivo, mas os efeitos negativos são mais agravantes, e prejudicam a saúde física e emocional da pessoa.   Tratamento Para corrigir o comportamento passivo, é preciso desenvolver um outro estilo de comportamento: o chamado comportamento assertivo. Uma pessoa assertiva sabe se comunicar de forma segura e passar sua mensagem sem manipular os outros. Uma das principais características de uma pessoa com comportamento assertivo é a habilidade de dizer “sim’ quando esta for a resposta mais adequada, mas também ser capaz de dizer “não” sempre que necessário. A pessoa não tem a necessidade de agradar, ser aprovada e reconhecida por todos, pois reconhece seu potencial e sabe lidar com suas fraquezas e limitações sem se sentir inferior. Obviamente, as pessoas que adotam um comportamento assertivo são as que têm maiores chances de sucesso em todas as áreas de suas vidas Na psicoterapia comportamental você irá aprender técnicas para desenvolver o comportamento assertivo, se expressar melhor, e melhorar seu relacionamento interpessoal.  Procure uma psicóloga em Maringá.
LEIA MAIS

Síndrome do Pânico


O que é? A síndrome do pânico é um transtorno psicológico em que ocorrem crises inesperadas e frequentes de desespero, pavor e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente. Essas crises fazem com que o indivíduo não leve uma vida normal, pois ele tem medo de que as crises voltem e evitam situações de perigo. Por exemplo, se a crise ocorreu em um elevador, é comum o paciente não querer mais voltar a utilizar o elevador no trabalho ou em casa.   Causas A Ciência acredita que um conjunto de fatores possa desencadear o desenvolvimento deste transtorno, como: Genética; Estresse; Temperamento forte e suscetível ao estresse; Mudanças na forma como o cérebro funciona e reage a determinadas situações.   Sintomas Ataques de pânico característicos da síndrome geralmente acontecem de repente e sem aviso prévio, em qualquer período do dia e também em qualquer situação, como enquanto a pessoa está dirigindo, fazendo compras no shopping, em meio a uma reunião de trabalho ou até mesmo dormindo. O terror toma conta do seu corpo, o seu coração dispara, você se sente sufocado, com tontura, tremores, faltar de ar, e para completar as suas pernas ficam bambas, aparece a sensação de que o ambiente é perigoso, de que você vai morrer ou ter um ataque cardíaco ou derrame, ou mesmo, ficar louco para sempre e perder o controle. O pico das crises de pânico geralmente dura cerca de 10 a 20 minutos, mas pode variar dependendo da pessoa e da intensidade do ataque. Além disso, alguns sintomas podem continuar por uma hora ou mais. É bom ficar atento, pois muitas vezes um ataque de pânico pode ser confundido com um ataque cardíaco. As crises de pânico geralmente manifestam os seguintes sintomas: Sensações de falta de ar ou sufocamento; Tontura e fraqueza; Aumento da frequência cardíaca; Palpitações; Aumento da produção de suor; Sensação de calor ou calafrio; Dor no peito ou no estômago; Formigamento; Tremores; Náusea ou desconforto abdominal; Medo de perder o controle ou enloquecer; Medo de morrer ou de uma tragédia iminente; Sensação de perigo iminente, dentre outros sintomas.   Diferença entre Síndrome do Pânico e Ansiedade A síndrome do pânico é um tipo específico de transtorno dentro dos quadros ansiosos. Costuma ocorrer em crises, isto é, vêm "do nada" e de forma muito intensa. A ansiedade é um estado mais constante, portanto é um estado menos sujeito a variações, altos e baixos e crises, que a síndrome do pânico. A principal diferença está nas gradações, no modo como a ansiedade se distribui. É importante ressaltar que um quadro ansioso pode evoluir para um quadro de pânico e vice-versa.   Tratamento A Síndrome do pânico é diagnosticada por um psiquiatra a partir da avaliação dos sintomas apresentados. Se você teve ou tem qualquer sintoma típico de crises de pânico, procure ajuda o quanto antes. Os ataques são difíceis de controlar por conta própria e podem piorar se não houver acompanhamento de um profissional e tratamento adequados.  O principal objetivo do tratamento da Síndrome do Pânico é reduzir o número de crises, assim como sua intensidade e recuperação mais rápida. As duas principais formas de tratamento para esse transtorno é por meio de psicoterapia e medicamentos. Ambos têm se mostrado bastante eficientes.  Existem diversas formas de psicoterapia, sendo a mais estudada e que comprovadamente tem efeitos benéficos nesse transtorno a chamada de Psicoterapia Comportamental. Ela poderá ajudar o paciente a entender os ataques de pânico, a como lidar com eles no momento em que acontecerem, ajuda o paciente a aprender diferentes maneiras de como pensar e reagir em situações de perigo, reduzindo então a ansiedade e o medo principalmente de situações em que o paciente evita por conta das crises. É importante lembrar que a cura desta doença depende da sua gravidade e da dedicação do paciente ao tratamento, havendo pessoas que conseguem se curar totalmente ou controlar com maior facilidade os sintomas da doença.   
LEIA MAIS
Precisa de ajuda?
Então esta esperando o que? Agende um horário!