Notícias
O que devo esperar da minha primeira sessão de psicoterapia?

Se você está tendo a oportunidade de fazer Psicoterapia, aproveite-a! Muitas pessoas gostariam de estar em seu lugar, e fazer terapia é um processo incrível pelo qual toda pessoa deveria passar pelo menos uma vez na vida. Qualquer pessoa, com ou sem traumas, com ou sem doenças mentais, vai sair ganhando se fizer terapia, ainda que “apenas” por uma questão de autoconhecimento mesmo.   Antes da primeira sessão É comum você ficar nervoso(a), ansioso(a), com medo e uma série de dúvidas na cabeça antes da sua primeira sessão.  Tente ficar calmo, eu estou ali para te ajudar, ok?  Beba um pouco de água, respire fundo, faça algo que deixe você mais relaxado e eu recomento você perguntar para si mesmo antes da primeira sessão: Por que estou aqui? Quais são meus objetivos com a Psicoterapia?   Como será a primeira sessão? De início, eu irei fazer algumas perguntas sobre sua vida. Questões passadas ou atuais podem ser essenciais pra compreensão do que você traz para a sessão. Você irá falar sobre o que lhe aflige, suas queixas, como essa queixa está interferindo na sua vida. , por isso você não precisa ir com nada ensaiado sobre o que vai falar, pode agir e conversar de forma leve, natural e espontânea. Se tem uma coisa que o psicólogo não está lá para fazer é julgar, ter preconceito ou dizer o que é certo ou errado, isso vale para TODAS as linhas da Psicologia. Além do mais, você pode esperar o tempo que for preciso antes de começar a falar e também não é obrigatório falar sobre alguns assuntos. No primeiro momento, pode soar um pouco estranho, pois, você deve pensar: Vou expor minhas queixas para alguém que eu nunca nem vi na vida? Eu compreendo o seu receio, mas é extremamente válido, você contar suas queixas a alguém que não tem conhecimento ou expectativas prévias sobre você. Eu estarei ali para lhe ouvir, acolher e ajudar a compreender os fatos de uma maneira diferente, trazendo novos significados para tudo aquilo que no momento lhe impede de viver de maneira leve.  Tudo o que você dirá para mim é confidencial.    E se eu não gostar do Psicólogo? É claro que, você pode se dar bem com o psicólogo escolhido e gostar muito logo de cara da vertente que ele segue, mas isso nem sempre acontece, então, NÃO DESISTA! É normal isso acontecer, e não tem nada de errado em você começar uma ou duas sessões, não se adaptar, ou não gostar e procurar outro, até que haja a “conexão”, isso será crucial para o restante do processo. Até porque, existem DIVERSAS abordagens e estilos de atendimentos, por isso você precisa saber qual seguimento se adapta e gosta mais!    Quais são essas abordagens? São as várias “linhas” que a Psicologia tem, assim como tem o músico do samba, do rock, do pop, onde todos fazem a mesma coisa, mas de formas e segmentos diferentes, existe o psicólogo comportamental, psicanalista, analítico, cognitivo, psicodramatista, etc.   Eu terei que deitar no divã? Muitas pessoas associam às cenas de filmes ou novelas, achando que em todo consultório que entrarem terá o famoso divã, aquele sofá onde a pessoa deita-se e olhando para cima começa a falar, enquanto o terapeuta fica atrás ouvindo e, não é bem assim! Esse é um dos segmentos, da linha psicanalítica. Na abordagem comportamental não usamos divã.    Psicólogo lê mente? Não, não lemos mentes e nem temos bola de cristal para descobrir tudo da sua vida só de olhar para o seu rosto, então, por isso são extremamente necessárias as perguntas que eu lhe fizer.   E se eu mentir? A sessão será muito melhor aproveitada se você responder as perguntas aberta e honestamente. Se você mentir, a psicoterapia poderá ir para uma patamar onde não fará nenhum sentido para você.   Quanto tempo vai durar? A psicoterapia não é um processo rápido, não é da “noite para o dia”, até porque o psicólogo também não tem uma varinha mágica que acelera o processo (mais um tabu), por isso não é possível saber quanto tempo vai durar, dias, semanas, um mês, seis meses, cinco anos e assim por diante, tudo vai depender de sua evolução, do seu caso, de quais questões lhe afligem, etc.  Não se sinta frustrado ao longo do processo, pois ainda que algumas melhoras possam surgir no curto prazo, outras podem levar mais tempo.   Será que com 1 sessão tudo estara resolvido? Isso depende de paciente para paciente, alguns com 1, 2, 3 ou 4 sessões já estão bem, e outros demoram, 3 meses, 6 meses e até anos. Certifique-se de ir para a sua primeira sessão com expectativas realistas. A terapia não é uma solução rápida e sim um processo.  Tenha sempre em mente que a terapia não é um milagre, e vai demorar um pouco até que você comece a perceber as mudanças práticas que esse tipo de exercício vai ter em sua vida, mas, uma vez que isso aconteça, é realmente libertador   CORAGEM! Pode ser difícil no começo, mas tente, tome essa atitude de coragem e de tanto carinho consigo mesmo, você vai perceber que tem muito que conhecer de si e o quanto isso é maravilhoso!  
LEIA MAIS
Comportamento Passivo

O que é? O comportamento passivo significa a não expressão de sentimentos, necessidades, direitos e opiniões próprias. Um dos objetivos do comportamento passivo é de evitar conflitos e conseguir agradar aos outros a todo o custo. Alguma vez você já sentiu culpa por dizer não ao pedido de alguém? Deixou de reivindicar um direito seu, como por exemplo. não cobrar um dinheiro que lhe deviam? Não colocou suas vontades e necessidades em primeiro lugar? Pois bem, esses são alguns exemplos de comportamentos passivos, que, acabam fazendo mal a saúde emocional do indivíduo. Muitas das pessoas passivas são vistas como "o bonzinho", e por não se manifestarem, em algum momento acabam sendo abusados ou explorados por isso.  Na maioria dos casos, por trás de atitudes passivas, existem medos de não ser aceito, aprovado, amado, dentre outras preocupações.    Características de uma pessoa passiva Necessidade de agradar a todos, com isso acabam cedendo com facilidade a pedidos de outras pessoas e fazendo muitas vezes coisas que não querem fazer; Tendência a evitar conflitos a qualquer custo; Dificuldade para tomar decisões; Dificuldade para assumir responsabilidades; Hábito de ficar sempre na zona de conforto; Medo de se arriscar, perdendo diversas oportunidades; Dificuldade para lidar com desafios e pressão; Tendência a desenvolver alguma dependência emocional; Não defendem os seus direitos; Muitas das pessoas são tímidas, quase não falam, quando falam se expressam em um tom de voz muito baixo, caguejam ou ficam com a voz trêmula.    Consequências em agir passivamente Há muitas consequências em agir passivamente, principalmente as doenças psicossomáticas.  Cito aqui alguma das consequências mais comuns que vejo em pacientes com esse estilo de comportamento: Perca contínua da auto-estima, tensões internas crescentes causando stress, irritação, dores de cabeça, dores no corpo, gastrite e até depressão. Existem alguns efeitos positivos imediatos do comportamento passivo, mas os efeitos negativos são mais agravantes, e prejudicam a saúde física e emocional da pessoa.   Tratamento Para corrigir o comportamento passivo, é preciso desenvolver um outro estilo de comportamento: o chamado comportamento assertivo. Uma pessoa assertiva sabe se comunicar de forma segura e passar sua mensagem sem manipular os outros. Uma das principais características de uma pessoa com comportamento assertivo é a habilidade de dizer “sim’ quando esta for a resposta mais adequada, mas também ser capaz de dizer “não” sempre que necessário. A pessoa não tem a necessidade de agradar, ser aprovada e reconhecida por todos, pois reconhece seu potencial e sabe lidar com suas fraquezas e limitações sem se sentir inferior. Obviamente, as pessoas que adotam um comportamento assertivo são as que têm maiores chances de sucesso em todas as áreas de suas vidas Na psicoterapia comportamental você irá aprender técnicas para desenvolver o comportamento assertivo, se expressar melhor, e melhorar seu relacionamento interpessoal.  Procure uma psicóloga em Maringá.
LEIA MAIS
Agorafobia

O que é? Agorafobia é um tipo de transtorno de ansiedade, podendo estar ligado a ataques de pânico. Uma pessoa com Agorafobia geralmente tem medo de sair de um lugar que considera seguro, como por exemplo sair da sua própria casa. A ansiedade de sair de casa e ter uma crise a impede de se expor a situações, por isso o comportamento mais comum na agorafobia é a evitação, a esquiva, a fuga de situações fora de sua zona de conforto. Em alguns casos a pessoa tem medo de lugares que considera difícil de ‘escapar ou sair’, ou ainda onde a ajuda possa não estar disponível. A pessoa com Agorafobia começa então a evitar certos lugares, por exemplo, não vai mais ao cinema pois tem medo de passar mal, não sai de carro, não entra em supermercado, não entra em banco. Situações comuns que causam medo em uma pessoa com Agorafobia incluem: lugares lotados como shoppings, metrô, ônibus, elevadores, eventos e aeroportos; e lugares muito distantes ou remotos. Muitas vezes as pessoas com Agorafobia conseguem enfrentar o receio e o medo apenas se estiverem acompanhas com alguém de confiança.    Causas Atualmente não são conhecidas com precisão as causas da Agorafobia. No entanto muitas pessoas a desenvolvem depois de terem passado por uma situação que gerou um ataque de pânico, como lugares lotados ou lugares considerados como ‘não seguros’ pela pessoa como os citados acima. A partir daquela situação, o lugar ou situações similares passam a ser evitados pela pessoa. Quando novas situações parecidas estão próximas de se enfrentar, o medo aumenta abruptamente e apenas o fato de saber que vai se aproximar daquela situação já se pode desencadear um ataque de pânico. Independentemente da causa, o fato é que ela acaba sendo um limitador da qualidade de vida da pessoa, uma vez que a pessoa se desvia da interação com outras pessoas, não socializando-se e tendo problemas no trabalho.   Sintomas Medo que ficar sozinho; Sintomas físicos como falta de ar, náuseas , tontura, sudorese, aumento dos batimento cardíacos nas situações; Medo de ir a lugares muito cheios; Sentir-se extremamente ansioso por saber que a situações que causam fobias podem estar prestes a acorrem novamente; Medo de lugares muito amplos; Sentir-se ansioso por estar longe de lugares considerados seguros, como sua própria casa; Perda da confiança e baixa autoestima.   Tratamento O tratamento vai depender do caso, mas a pessoa deve procurar um psicólogo e/ou um médico psiquiatra, passando todas as informações que possam ser úteis ao diagnóstico: quais sintomas e o que geralmente os causa e em que situações; se esses medos se manifestam há muito tempo e com qual frequência; se estão afetando o seu dia a dia, etc. O tratamento, que pode incluir Psicoterapia e/ou Medicação. A Psicoterapia visa buscar mudanças na forma que o pensamento e comportamento ocorrem, reduzir o grau de ansiedade envolvido. E a Medicação visa controlar os sintomas. Dependendo do caso, o importante é não evitar as situações de receio, já que quanto maior o receio maior é a ansiedade. Técnicas de relaxamento podem ajudar no enfrentamento das situações e também para recuperar o autocontrole. Se você se identifica com as situações expostas e entende que isso tem atrapalhado o seu cotidiano, agende uma consulta. É sempre importante almejar uma melhora na qualidade de vida. Procure uma psicóloga em Maringá. 
LEIA MAIS
Autismo

O que é? O Autismo, também conhecido como Transtornos do Espectro Autista (TEA), são transtornos que causam problemas no desenvolvimento da linguagem, nos processos de comunicação, na interação e comportamento social da criança. Para o autista, o relacionamento com outras pessoas costuma não despertar interesse. O contato visual com o outro é ausente ou pouco frequente e a fala, usada com dificuldade. Algumas frases podem ser constantemente repetidas e a comunicação acaba se dando, principalmente, por gestos. Por isso, evita-se o contato físico no relacionamento com o autista - já que o mundo, para ele, parece ameaçador. Insistir neste tipo de contato ou promover mudanças bruscas na rotina dessas crianças pode desencadear crises de agressividade.   Causas As causas do autismo ainda são desconhecidas, mas a pesquisa na área é cada vez mais intensa. Provavelmente, há uma combinação de fatores que levam ao autismo. Sabe-se que a genética e agentes externos desempenham um papel chave nas causas do transtorno.  De qualquer maneira, muitos genes parecem estar envolvidos nas causas do autismo. Alguns tornam as crianças mais suscetíveis ao transtorno, outros afetam o desenvolvimento do cérebro e a comunicação entre os neurônios. Outros, ainda, determinam a gravidade dos sintomas. Quanto aos fatores externos que possam contribuir para o surgimento do transtorno estão a poluição do ar, complicações durante a gravidez, infecções causadas por vírus, alterações no trato digestório, contaminação por mercúrio e sensibilidade a vacinas.   Sintomas Geralmente, crianças entre 2 e 3 meses já observam os rostos próximos, voltam-se para vozes e sorriem. Na questão do autismo, essas ações não acontecem e, quando tem por volta de 8 a 10 meses, essas crianças começam a apresentar alguns sintomas como falta de resposta quando chamadas e também do interesse para com as pessoas ao seu redor. Existem diversos sintomas que podem indicar autismo, e nem sempre a criança apresentará todos eles. Entre os grupos de sintomas que podem afetar uma pessoa com autismo estão: Interação social: Não faz amigos; É retraído; Pode não responder a contato visual e sorrisos ou evitar o contato visual; Pode tratar as pessoas como se fossem objetos; Prefere ficar sozinho, em vez de acompanhado; Mostra falta de empatia; A maioria das vezes comunica-se com gestos em vez de palavras. Resposta a informações sensoriais: Tem a visão, audição, tato, olfato ou paladar ampliados ou diminuídos; Pode achar ruídos normais dolorosos e cobrir os ouvidos com as mãos; Pode evitar contato físico por ser muito estimulante ou opressivo; Esfrega as superfícies, põe a boca nos objetos ou os lambe; Parece ter um aumento ou diminuição na resposta à dor Brincadeiras: Não imita as ações dos outros; Prefere brincadeiras solitárias ou ritualistas; Não faz brincadeiras de faz de conta ou imaginação; Demonstrar apego anormal aos objetos. Comportamentos: Acessos de raiva intensos; Fica preso em um único assunto ou tarefa (perseverança); Baixa capacidade de atenção; Poucos interesses; É hiperativo ou muito passivo; Comportamento agressivo com outras pessoas ou consigo; Necessidade intensa de repetição; Repetir palavras ou trechos memorizados, como comerciais; Usar rimas sem sentido; Faz movimentos corporais repetitivos; Tem uma alteração emocional anormal quando há alguma mudança na rotina; Desenvolve a linguagem lentamente ou não desenvolve; Não se referir a si mesmo de forma correta. Os sintomas do autismo podem variar de moderados a graves.   Tratamento O principal objetivo do tratamento é maximizar as habilidades sociais e comunicativas da criança por meio da redução dos sintomas do autismo e do suporte ao desenvolvimento e aprendizado. Existem diversos programas para tratar problemas sociais, de comunicação e de comportamento que estejam relacionados ao autismo. Alguns desses programas focam na redução de problemas comportamentais e na aprendizagem de novas habilidades. Outros procuram ensinar crianças a como agir em determinadas situações sociais e a como se comunicar propriamente.  Crianças, em geral, dão os primeiros sinais de autismo logo no primeiro ano de vida. Se você notar qualquer sinal do transtorno em seu filho, converse com um médico. Ele poderá recomendar exames específicos. Os comportamentos da criança de alerta são: Não responder com sorriso ou expressão de felicidade aos seis meses; Não imitar sons ou expressões faciais aos nove meses; Não balbuciar aos 12 meses; Não gesticular aos 12 meses; Não dizer nenhuma palavra aos 16 meses; Não dizer frases compostas de pelo menos duas palavras aos 24 meses; Perder habilidades sociais e de comunicação em qualquer idade. Esse transtorno não possui cura e suas causas ainda são incertas, porém ele pode ser trabalhado, reabilitado, modificado e tratado para que, assim, o paciente possa se adequar ao convívio social e às atividades acadêmicas o melhor possível. Quanto antes o Autismo for diagnosticado melhor, pois o transtorno não atinge apenas a saúde do indivíduo, mas também de seus cuidadores, que, em muitos casos, acabam se sentindo incapazes de encararem a situação.  
LEIA MAIS
Depressão Pós-parto

Depressão Pós-parto   O que é? A depressão pós-parto, geralmente dá as caras um mês depois do parto. Mas deve-se tomar cuidado para não confundi-la com baby blues (uma tristeza leve, considerada normal e que passa em poucos dias). Já na Depressão Pós-Parto, os sintomas são mais intensos e semelhantes aos de uma depressão clássica. A lista inclui desânimo, baixa autoestima, falta de prazer e alteração no sono e no apetite que não melhoram conforme o tempo passa. A mulher não vê graça em quase nada: as situações prazeirosas são cada vez mais raras. “Em casos mais graves, a mulher pode deixar de cuidar da criança, ter raiva dela e até pensar em suicídio”. A Depressão pós-parto não é uma falha de caráter ou uma fraqueza. Se você tem depressão pós-parto, o tratamento imediato pode ajudar a gerir os seus sintomas e desfrutar de seu bebê.   Sintomas Alguns dos sintomas são: Tristeza constante; Sensação de que nada de bom vem pela frente; Sensação de culpa; Irritabilidade e falta de paciência; Vontade de chorar o tempo todo; Exaustão permanente; Dificuldade de se divertir; Perda do bom humor; Sensação de não conseguir lidar com as circunstâncias da vida; Enorme ansiedade em relação ao bebê e busca constante por garantias, por parte de profissionais de saúde, de que ele está bem; Preocupação com sua própria saúde, possivelmente acompanhada pelo temor de ter alguma doença grave; Falta de concentração; Sensação de que o bebê é um estranho e não seu filho; Pensamentos negativos demais em relação a você ou ao bebê; Vontade de fugir, de sumir; Perder ou ganhar peso     Causas Não há uma única causa para depressão pós-parto. Fatores físicos, emocionais e de estilo de vida podem influenciar de alguma forma no surgimento da doença. Os especialistas acreditam que seja uma combinação de fatores hormonais, ambientais, psicológicos e genéticos. Porém há certas situações que parecem aumentar o risco de uma depressão pós-parto. São elas: Já ter passado por uma depressão antes ou algum outro problema de saúde mental; Ter tido depressão durante a gravidez; Não ter família ou parceiro por perto; Dificuldades financeiras, no trabalho ou no relacionamento; Ter passado por um parto difícil ou complicações de saúde no pós-parto; Ter tido um um bebê prematuro ou com problemas de saúde; Dificuldade em amamentar; Perda de um ente querido, recentemente ou no passado.   Tratamento É importante que a mulher ou algum familiar reconheçam logo a depressão pós-parto, para que ela receba o apoio e o tratamento necessários.  Conversar com alguém treinado para lidar com o que você está sentindo pode ser de grande ajuda. Muitas vezes somente a psicoterapia já é suficiente para reverter o quadro, embora, em diversos casos, haja também a necessidade de associar ao tratamento algum tipo de medicação (que só pode ser prescrita por médicos).  Não se intimide em procurar ajuda especializada e encare isso como um ato de amor pelo seu bebê, para que você possa ser a mãe que sempre sonhou ser.  
LEIA MAIS
Transtorno de Personalidade Anti-Social

Transtorno de Personalidade Anti-Social   O que é o Transtorno de Personalidade Anti-Social? Transtorno de personalidade antissocial é um tipo de condição mental crônica em que os caminhos de uma pessoa pensar, de perceber as situações e relacionar com os outros são disfuncionais e destrutivo.  Pessoas com esse transtorno tipicamente não fazem distinção entre certo e errado, muitas vezes ignoram os direitos, desejos e sentimentos dos outros. Tendem a hostilizar, manipular ou tratar as pessoas duramente ou com indiferença. Eles podem muitas vezes violar a lei, aterrissando com problemas frequentes, mas eles não mostram nenhuma culpa ou remorso. Eles podem mentir se comportam violentamente ou impulsivamente.  Por este e outros motivos, os especialistas se dividem se o transtorno seria o mesmo que a psicopatia.   Sintomas Os Sintomas do transtorno de personalidade antissocial podem começar na infância e são totalmente evidentes para a maioria das pessoas durante os seus 20 e 30 anos. Em crianças, a crueldade com os animais, o comportamento bullying, impulsividade ou explosões de raiva, isolamento social, e mau desempenho escolar podem ser, em alguns casos, os primeiros sinais da doença. Pessoas com transtorno de personalidade antissocial tem um comportamento específico, que leva em conta os sentimentos das outras pessoas. Veja, a seguir os principais sintomas desse transtorno: - Desconsideração por o que é certo ou errado; - Uso persistente de mentiras e fraudes para explorar os outros; - Uso de charme ou sagacidade para manipular os outros em prol de si mesmo; - Egocentrismo, senso de superioridade, vaidade e exibicionismo; - Dificuldades recorrentes com a lei; - Abuso ou negligência com crianças; - Hostilidade, irritabilidade significativa, agitação, impulsividade, agressão ou violência; - Ausência de empatia com as outras pessoas e de remorso por prejudicar os outros; - Comportamentos perigosos; - Relacionamentos pobres ou abusivos; - Comportamento irresponsável no trabalho Dificuldade em aprender com as consequências negativas de seu comportamento;    Causas – Genética. Estas tendências herdadas são aspectos da personalidade de uma pessoa repassados pelos pais, tais como timidez ou ter uma perspectiva positiva. Isso às vezes é chamado temperamento. – Ambiente. Isso significa que o ambiente de uma pessoa cresce em eventos que ocorreram, e as relações com os membros da família e outros.   Tratamento O tratamento do transtorno de personalidade no geral engloba psicoterapia. Medicamentos podem ser usados no tratamento de comorbidades, como depressão e ansiedade, mas não existem medicamentos indicados apenas para o tratamento desse tipo de transtorno. Em geral, para o transtorno de personalidade antissocial, mudanças comportamentais são muito importantes. Por isso mesmo terapia comportamental é importante nesses casos. No entanto, o tratamento do transtorno de personalidade antissocial é o mais difícil de ser tratado. As pessoas com esse transtorno tendem a usar a terapia como uma forma de evitar consequências negativas para se comportamento ilegal ou negligente ou para evitar as responsabilidades de seus atos. Além disso, identificar desde cedo que a criança tem traços de personalidade antissocial pode ajudar no tratamento precoce do transtorno de conduta, evitando que ele evolua para transtorno de personalidade antissocial, ou pelo menos impedindo o problema de ser tão grave.  
LEIA MAIS
Bulimia

O que é? Bulimia é um distúrbio alimentar que gera na pessoa uma compulsão muito grande em ingerir muita comida e, logo após, é tomada por um sentimento de arrependimento ou de medo de engordar, fazendo com que recorra a meios de eliminar o que foi ingerido. Dentre esses meios, os mais comuns são a indução de vômitos, o consumo de laxantes e diuréticos ou a excessiva prática de exercícios. A doença pode ser catalogada em duas diferentes maneiras: - Bulimia com expurgação: A pessoa regularmente auto-induz o seu vômito ou faz uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas após comer compulsivamente. - Bulimia sem expurgação: Utilização de outros métodos para se manter livre das calorias e evitar o ganho de peso, como a prática do jejum, dieta rigorosa ou exercício excessivo. Pessoas com bulimia estão sempre preocupadas com a aparência, principalmente com o peso. O paciente não consegue aceitar seu corpo da forma como ele é, ou tem a impressão de que está acima do peso em níveis acima da realidade. Isso pode levar a um quadro de ansiedade, que faz a pessoa buscar maneiras bruscas de perder peso rapidamente, ao mesmo tempo em que busca conforto na comida.  O que diferencia a bulimia de outros transtornos alimentares é o comportamento de tentar livrar-se do que comeu regularmente, independentemente de como exatamente isso acontece. A ênfase está sempre na eliminação de calorias extras com objetivo de evitar ganho de peso ou para alcançar a perda de peso.     Causas Muitos fatores podem estar envolvidos nos motivos que levam à sua ocorrência. A influência exercida pela mídia sobre o comportamento e o padrão de beleza das pessoas também pode estar entre as possíveis causas da bulimia. O culto ao corpo magro e o desprezo às pessoas acima do peso pregado pela indústria da beleza e da moda, aparentemente, levam milhões de pessoas em todo o mundo a apresentar quadros de bulimia. Fatores genéticos, psicológicos, traumáticos, familiares, sociais ou culturais podem contribuir para seu desenvolvimento.  A genética também pode ser um fator de risco para a bulimia. Estudos mostram que ter um parente com bulimia pode favorecer o desenvolvimento da doença. No entanto, ainda não está certo se é um fator genético que predispõe à bulimia ou o comportamento familiar que favorece a doença.     Sintomas Preocupação excessiva com o peso e com a silhueta; Ter medo de ganhar peso; Perder o controle sobre o que come; Comer em excesso até sentir desconforto ou dor; Forçar o vômito após comer; Usar suplementos diários de perda de peso;. Apresenta sintomas de desnutrição, tais como: tontura, desmaio, fadiga, sono ou insônia e inchaço no corpo; Emagrecimento súbito; Vômitos após as refeições: a pessoa pode ir ao banheiro logo após se alimentar e permanece por lá por muito tempo; Uso de laxantes e diuréticos: alguns sinais podem ser apresentados por conta dessa prática, como queixas de cólicas abdominais, inflamações anais ou descontrole intestinal.     Efeitos colaterais Um dos efeitos colaterais mais perigosos e comuns da bulimia são os danos causados ao sistema digestivo, uma vez que comer demais e depois se livrar do alimento têm efeitos negativos sobre a produção de enzimas digestivas, equilíbrio de fluidos e níveis de eletrólito. Vomitar e tomar laxantes podem levar a desequilíbrios eletrolíticos e químicos, que causam efeitos em cascata em outros sistemas e órgãos, como um batimento cardíaco anormal e sintomas de depressão. Ao mesmo tempo, altas quantidades de estresse juntamente com deficiências de nutrientes podem alterar os níveis hormonais e alterar o funcionamento do neurotransmissor. Alguns dos efeitos negativos da bulimia nervosa para a saúde são: > Desequilíbrio de potássio e sódio, uma vez que o vômito/purga pode alterar os balanços de nutrientes, eletrólitos e fluidos chave; > Batimentos cardíacos irregulares e maior probabilidade de ataques cardíacos, insuficiência cardíaca e morte devido a um desequilíbrio eletrolítico; > Desidratação, que pode afetar negativamente a digestão, capacidades mentais, movimentos musculares e funcionamento do coração; > Capacidade reduzida de digerir os alimentos corretamente e absorver nutrientes; > Problemas para ir ao banheiro normalmente, incluindo estômago inchado, constipação e diarreia, causada por tomar laxantes e alterar os níveis de enzimas e eletrólitos; > Maior risco de úlceras e rupturas gástricas; > Maior probabilidade de ter mudanças de peso que afetam negativamente a tireoide e a saúde hormonal; > Maior probabilidade de lidar com infertilidade e menstruações irregulares; > Diminuição da resposta imunológica a infecções ou doenças mais comuns; > Maior risco de depressão, transtornos de ansiedade e suicídio; > Níveis mais elevados de inflamação, o que pode aumentar o risco de várias doenças crônicas; > Cárie dentária grave.     Tratamento O tratamento depende da gravidade da bulimia, assim como a resposta da pessoa aos tratamentos.  Se você acha que pode ter, ou tem bulimia, a melhor coisa que você pode fazer é procurar ajuda profissional. A psicoterapia é oferecida para aqueles que sofrem desta condição para ajudá-los a recuperar o controle sobre seus pensamentos e ações. A terapia comportamental funciona muito bem no tratamento de distúrbios alimentares, tais como bulimia. Durante este tipo de tratamento, o psicólogo especializado irá trabalhar com você para ajudá-lo a aprender a reconhecer as formas com que o alimento faz você se sentir e como mudar seus comportamentos em resposta a essas emoções. O processo é doloroso e exige um trabalho árduo da parte do paciente e de sua família. Admitir que você tem um problema é o primeiro passo para obter tratamento.   
LEIA MAIS
Anorexia

O que é? A anorexia é um distúrbio alimentar que provoca perda de peso acima do que é considerado saudável para a idade e altura. Pessoas com anorexia podem ter um medo intenso de ganhar peso, mesmo quando estão abaixo do peso normal. Elas podem abusar de dietas ou exercícios, ou usar outros métodos para emagrecer. O paciente no geral enxerga seu corpo de maneira distorcida (em geral, muito acima do peso) e, a partir daí, leva a atitudes de risco, como dietas restritivas, abuso de exercícios físicos, indução de vômito para expulsar as refeições e até mesmo uso de medicamentos como laxantes. Isso pode levar a um quadro de ansiedade, já que a pessoa está sempre preocupada na maneira como ela vai perder peso rapidamente.   Causas Acredita-se que fatores biológicos, psicológicos e ambientais estejam envolvidas nas causas possíveis para a doença. A Anorexia é um distúrbio muito comum entre adolescentes, principalmente por conta da pressão social existente nessa fase da vida e todas as mudanças que ocorrem no corpo e na mente. Entretanto, pessoas de todas as idades podem desenvolver o problema, sendo considerado raro somente em indivíduos acima dos 40.   Sintomas A perda de peso impulsionada pelo transtorno é extremamente perigosa. Pode provocar baixas na imunidade, enfraquecimento dos músculos e dos ossos, interrupção da menstruação, arritmia cardíaca e convulsões. O quadro chega a ser inclusive fatal em 15% dos casos. Algum dos sintomas da Anorexia são: Preocupação excessiva com a dieta; Perda de peso acentuada; Medo extremo de engordar; Redução da libido; Ausência de menstruação por três ou mais ciclos; Prática exagerada de exercícios físicos; Usar comprimidos para urinar (diuréticos), evacuar (enemas e laxantes).; Ir ao banheiro imediatamente após as refeições; Recusar-se a manter o peso que é considerado normal ou aceitável para sua idade e altura (geralmente, pessoas com anorexia estão no mínimo 15% abaixo do peso normal); Pensamento confuso ou lento, junto com memória ou julgamento deficientes; Depressão; Boca seca; Extrema sensibilidade ao frio (vestir várias camadas de roupas para ficar aquecido); Perda de resistência óssea; Desgaste dos músculos e perda de gordura corporal.   Tratamento O maior desafio no tratamento da anorexia é fazer a pessoa reconhecer que tem uma doença. A maioria das pessoas com anorexia nega que tem um distúrbio alimentar. Em geral, as pessoas somente começam um tratamento quando a doença já atingiu seu estado grave. O tratamento é multidisciplinar, ou seja, envolve uma equipe composta de médico, psicólogo e nutricionista. O primeiro objetivo é recuperar os quilos perdidos em ritmo seguro a fim de restabelecer a saúde. Diferentes tipos de psicoterapias são usadas para tratar de pessoas com anorexia, mas a terapia comportamental mostra-se bem-sucedida neste sentido. A psicoterapia comportamental, irá trabalhar a auto-estima do paciente, sua forma de enxergar o próprio corpo, sua relação com a comida, trabalhando junto com o paciente para que haja mudanças de pensamentos e comportamentos.    Prevenção Encorajar atitudes saudáveis e realistas em relação ao peso e à dieta podem ajudar. Cultive sempre a ideia de um corpo saudável com seu filho ou filha, independentemente da silhueta ou do peso  
LEIA MAIS
Vício: Álcool

O que é? O Alcoolismo é um vicio e/ou dependência causado pelo álcool e é considerado pela organização mundial de Saúde (OMS) uma doença. Essa dependência pode ser iniciada de forma inocente com a pessoa bebendo socialmente. Porém, tempos depois, a pessoa percebe que beber virou uma rotina em sua vida, que isso já está começando a atrapalhar as atividades e relacionamentos no seu dia a dia.Há outros fatores que influenciam como por exemplo a pessoa ter pré-disposição ao alcoolismo. Crianças e adolescentes que convivem com familiares que tem o costume de beber em excesso pode ser um desses fatores. Algumas pessoas começam a beber como uma forma de fuga, motivadas por uma decepção, frustração ou até mesmo para ajudar a absorver a pressão do dia a dia. A pessoa passa a encontrar alívio com a bebida.   Consequências do uso do Álcool O uso excessivo de bebidas alcoólicas pode afetar praticamente todos os órgãos e sistemas do organismo. O aparelho gastrintestinal é particularmente atingido. Podem ocorrer gastrites, ulceras, inflamação do esôfago, pancreatite; as lesões no fígado podem levar à cirrose. Outros aparelhos atingidos são o cardiocirculatorio (podendo ocorrer pressão alta, infarto do miocárdio), o sistema nervoso (epilepsia, lesões em nervos periféricos) e o geniturinário (impotência). Podem ocorrer também doenças devido a deficiências de vitaminas e alterações no sangue. O uso de álcool por mulheres grávidas pode levar a malformações no feto com retardo mental, malformações no coração, membros, crânio e face (síndrome fetal do álcool). Na síndrome de dependência ocorre o uso exagerado, continuo de álcool por muito tempo. Há um desejo intenso de beber e necessidade de beber quantidades cada vez maiores para obter o mesmo efeito (tolerância). As atividades da pessoa giram em torno da obtenção de bebidas, ocorrem prejuízos nas demais atividades, como falta ao trabalho, queda do rendimento no trabalho e convívio familiar. Outra característica da síndrome de dependência é a síndrome de abstinência. Ocorre em geral com a interrupção ou redução abrupta da quantidade de bebida ingerida. A síndrome de abstinência caracteriza-se por tremores, sudorese, aumento da pulsação, insônia, náusea ou vomito, ansiedade e agitação. Quando se torna mais grave surgem ainda as alucinações, em geral na forma de "visões" de animais ou fios na parede ou no ar ou da sensação de formigamento ou de bichos andando pelo corpo da pessoa. Este quadro é chamado de delirium tremens e é ainda acompanhado de febre, convulsões e confusão mental (a pessoa não consegue conversar direito, confunde objetos e pessoas, não sabe informar sobre datas ou local onde se encontra). O delirium tremens é um quadro grave e necessita de tratamento hospitalar. Com freqüência, após um delirium tremens, a pessoa desenvolve um quadro caracterizado por esquecimento de fatos que ocorreram recentemente. É denominado amnésia induzida pelo álcool ou síndrome de Korsakoff.   Tratamento Na maioria das vezes o dependente do álcool se mostra muito resistente à terapia, não assume que é dependente e que precisa de ajuda, devido a isso chegam até o psicólogo ou outro profissional através da família ou amigos na maioria das vezes numa situação muito crítica da doença. O psicólogo surge com o papel reforçador na intenção de ouvi-lo e instrui-lo a respeito de como voltar a ter um convívio normal, voltar a se relacionar e se comportar. Em muito dos casos tratados no consultório, o paciente usou o álcool como automedicação, isso contra decepções, angustia e depressão. E o álcool fez com que o paciente perdesse parte da moral e caráter que possuía, sendo assim o psicólogo irá ajuda-lo a encontrar novamente os valores que se perderam e que possa estar apto a se relacionar em sociedade. Além do tratamento de psicoterapia, combinado com ele há o tratamento com medicação, isso porque devido a abstinência pode existir prováveis convulsões os medicamentos são para evitar as mesmas. A psicoterapia desempenha papel fundamental na recuperação. Procurar buscar com o paciente os motivos que o levam a beber e auxiliar na resolução dos conflitos permitem a construção de uma personalidade mais madura, capaz de lidar com as adversidades sem precisar se refugiar na bebida.  
LEIA MAIS
Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)

O que é? O Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) pode ser definido como um distúrbio da ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais. Esse quadro ocorre quando a pessoa vivencia ou presencia um trauma emocional de grande magnitude. Quando ela se recorda do fato, revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento vivido na primeira vez. Essa recordação, conhecida como revivescência, desencadeia alterações neurofisiológicas e mentais. O transtorno de estresse pós-traumático engloba as seguintes características: -Reviver o trauma através de sonhos e de pensamentos; -Evitar persistentemente fatos, objetos ou quaisquer situações que lembrem o trauma; -Medo de que a situação venha a se repetir; -Sensações físicas de desconforto e ansiedade que podem ser desencadeados pela simples recordação mental do trauma;   Causas Algumas das causas do transtorno do estresse pós-traumático são:  catástrofes naturais, agressão física, estupro, acidentes, guerras, humilhações, ameaças, assédios, dentre outros. Há diversos estudos que apontam eventos ocorridos na infância e adolescência como fatores que tornam as pessoas mais vulneráveis ao transtorno do estresse pós-traumático. Em geral, se encaixam situações de bullying infantil, situações de violência doméstica, situações que passam despercebidas na escola devido a dificuldades em adaptação (sociabilização) ou aprendizado (TDAH) e essas crianças são estigmatizadas e ridicularizadas.    Sintomas A pessoa começa a ficar irritada, se isola, tem pesadelos, sentimentos de raiva, cansaço emocional, principalmente se ela revive o trauma ocorrido. Alguns outros sintomas são: -Reexperiência traumática: pesadelos e lembranças espontâneas, involuntárias e recorrentes (flashbacks) do evento traumático revivescência; -Fuga e esquiva: afastar-se de qualquer estímulo que possa desencadear o ciclo das lembranças traumáticas, como situações, contatos ou atividades que possam se ligar às lembranças traumáticas; -Distanciamento emocional: diminuição do interesse afetivo por atividades, pessoas, que anteriormente eram prazerosas, diminuição de afetividade; -Hiperexcitabilidade psíquica: reações de fuga exagerados, episódios de pânico (coração acelerado, transpiração, calor, medo de morrer...), distúrbios do sono, dificuldade de concentração, irritabilidade, hipervigilância (estado de alerta); -Sentimentos negativos: sentimentos de impotência e incapacidade em se proteger do perigo, perda de esperança em relação ao futuro, sensação de vazio. A pessoa tem recordações com muita aflição, incluindo imagens ou pensamentos do trauma vivenciado. Sonhos amedrontadores também podem ocorrer e o indivíduo pode agir ou sentir como se o evento traumático estivesse ocorrendo novamente. Um grande sofrimento psicológico se desenvolve quando surgem lembranças de algum aspecto do trauma. Há uma intensa necessidade de se evitar sentimentos, pensamentos, conversas, pessoas ou lugares que ativem recordações do trauma. Também pode ocorrer uma incapacidade de se recordar algum aspecto importante do trauma, uma dificuldade em conciliar e manter o sono, irritabilidade ou surtos de raiva e baixa concentração. Em crianças pequenas podem ocorrer jogos repetitivos com expressão de temas ou aspectos do trauma, sonhos amedrontadores sem um conteúdo identificável e encenação específica do trauma.   Diferença entre TEPT e uma reação normal ao trauma Após um evento traumático, quase todo mundo experimenta pelo menos alguns dos sintomas de transtorno de estresse pós-traumático. Quando o senso de segurança e confiança é abalado, é normal sentir-se um pouco louco ou desorientado. É muito comum ter pesadelos, sentir medo, e achar que é difícil parar de pensar sobre o que aconteceu. Essas são reações normais a eventos anormais. Para a maioria das pessoas, no entanto, estes sintomas são de curta duração. Eles podem até durar vários dias ou mesmo semanas, mas eles gradualmente cessam. Se a pessoa possui transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), os sintomas não diminuem e a pessoa não sente melhora. Na verdade, ela pode piorar a cada dia. Uma reação normal ao trauma se torna TEPT quando a pessoa fica presa. Após uma experiência traumática, a mente e o corpo ficam em estado de choque. Mas, quando a pessoa entende o que aconteceu e processa suas emoções, ela consegue sair da situação. Com o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), no entanto, permanece em estado de choque psicológico. A memória do que aconteceu e os sentimentos sobre o assunto estão desconectados. Para seguir em frente, é importante enfrentar, sentir as lembranças e as emoções.   Tratamento O tratamento envolve psicoterapia e medicamentos.Os objetivos do tratamento do transtorno do estresse pós-traumático estão voltados a: -Diminuir os sintomas; -Prevenir complicações; -Melhorar desempenho na escola ou no trabalho; -Melhorar relacionamentos sociais e familiares; -Tratar transtornos associados (como depressão e alcoolismo). As chances do quadro do transtorno do estresse pós-traumático se estabilizar com tratamento adequado são altas. Com o tratamento adequado depois de algum tempo a pessoa vai gradualmente retomando a normalidade de vida.   
LEIA MAIS
Esquizofrenia

O que é? A esquizofrenia caracteriza-se por uma grave desestruturação psíquica, em que a pessoa perde a capacidade de integrar suas emoções e sentimentos com seus pensamentos, podendo apresentar crenças irreais (delírios), percepções falsas do ambiente (alucinações) e comportamentos que revelam a perda do juízo crítico. A doença produz também dificuldades sociais, como as relacionadas ao trabalho e relacionamento, com a interrupção das atividades produtivas da pessoa.    Causas Hoje, após várias pesquisas que investigam a causa da esquizofrenia, sabe-se que a genética é responsável por cerca de 50% da chance de adoecer, cabendo a outra metade aos fatores ambientais.  Fatores ambientais (p. ex., complicações da gravidez e do parto, infecções, entre outros) que possam alterar o desenvolvimento do sistema nervoso no período de gestação parecem ter importância na doença. O ambiente pode influenciar o adoecimento nas etapas mais precoces do desenvolvimento cerebral, da gestação à primeira infância. É nesse período que o cérebro é mais sensível, por estar crescendo com rapidez e depender do ambiente para o aperfeiçoamento de suas funções.  A adolescência é um outro momento delicado, pois o cérebro começa a moldar-se para a vida adulta. Um processo conhecido como poda neuronal apara as arestas do desenvolvimento, que sempre gera conexões esdrúxulas ou desnecessárias. A esquizofrenia pode estar relacionada a um menor número de podas, com conexões errôneas entre os neurônios. Fatores ambientais na adolescência podem influenciar esse processo, desencadeando o primeiro surto da doença. Um fator que vem sendo relacionado a um risco maior de esquizofrenia e autismo é a idade avançada do pai no momento da concepção. A explicação para isso seria um aumento na frequência de mutações que ocorrem no momento da divisão celular para produção de espermatozóides.    Sintomas A esquizofrenia apresenta várias manifestações, afetando diversas áreas do funcionamento psíquico.  Os principais sintomas são: 1. Delírios: são idéias falsas, das quais o paciente tem convicção absoluta. Por exemplo, ele se acha perseguido ou observado por câmeras escondidas, acredita que os vizinhos ou as pessoas que passam na rua querem lhe fazer mal. 2. Alucinações: são percepções falsas dos órgãos dos sentidos. As alucinações mais comuns na esquizofrenia são as auditivas, em forma de vozes. O paciente ouve vozes que falam sobre ele, ou que acompanham suas atividades com comentários. Muitas vezes essas vozes dão ordens de como agir em determinada circunstancia. Outras formas de alucinação, como visuais, táteis ou olfativas podem ocorrer também na esquizofrenia. 3. Alterações do pensamento: as idéias podem se tornar confusas, desorganizadas ou desconexas, tornando o discurso do paciente difícil de compreender. Muitas vezes o paciente tem a convicção de que seus pensamentos podem ser lidos por outras pessoas, ou que pensamentos são roubados de sua mente ou inseridos nela.  4. Alterações da afetividade: muitos pacientes tem uma perda da capacidade de reagir emocionalmente às circunstancias, ficando indiferente e sem expressão afetiva. Outras vezes o paciente apresenta reações afetivas que são incongruentes, inadequadas em relação ao contexto em que se encontra. Torna-se pueril e se comporta de modo excêntrico ou indiferente ao ambiente que o cerca. 5. Diminuição da motivação: o paciente perde a vontade, fica desanimado e apático, não sendo mais capaz de enfrentar as tarefas do dia a dia. Quase não conversa, fica isolado e retraído socialmente.  Outros sintomas, como dificuldade de concentração, alterações da motricidade, desconfiança excessiva, indiferença, podem aparecer na esquizofrenia. Dependendo da maneira como os sintomas se agrupam, é possível caracterizar os diferentes subtipos da doença. A esquizofrenia evolui geralmente em episódios agudos onde aparecem os vários sintomas acima descritos, principalmente delírios e alucinações, intercalados por períodos de remissão, com poucos sintomas manifestos.    Tratamento O tratamento da esquizofrenia visa ao controle dos sintomas e a reintegração do paciente. O tratamento da esquizofrenia requer o uso de medicamentos, psicoterapia e/ou tratamento psicossocial, bem como a conscientização da família, que absorve a maior parte das tensões geradas pela doença.  O tratamento medicamentoso é feito com remédios chamados antipsicóticos ou neurolépticos. Eles são utilizados na fase aguda da doença para aliviar os sintomas psicóticos, e também nos períodos entre as crises, para prevenir novas recaídas. A maioria dos pacientes precisa utilizar a medicação ininterruptamente para não ter novas crises. Assim o paciente deve submeter-se a avaliações médicas periódicas; o médico procura manter a medicação na menor dose possível para evitar recaídas e evitar eventuais efeitos colaterais.  A abordagem psicossociais são necessárias para promover a reintegração do paciente à família e à sociedade. Devido ao fato de que alguns sintomas (principalmente apatia, desinteresse, isolamento social e outros) podem persistir mesmo após as crises, é necessário um planejamento individualizado de reabilitação do paciente. Os pacientes necessitam em geral de psicoterapia e outros procedimentos que visem ajudá-lo a lidar com mais facilidade com as dificuldades do dia a dia.  A psicoterapia comportaental pode ser oferecida em conjunto com o tratamento psicossocial ou isoladamente. É um espaço para o paciente falar de suas angústias e dificuldades e buscar apoio e coragem para enfrentar os desafios. Pode ajudar a melhorar a auto-estima, a aceitar e compreender melhor sua doença, bem como a monitorar seus próprios sintomas.  A esquizofrenia não tem cura, mas com o tratamento adequado a pessoa pode se recuperar e voltar a viver uma vida normal.
LEIA MAIS
Síndrome do Pânico

O que é? A síndrome do pânico é um transtorno psicológico em que ocorrem crises inesperadas e frequentes de desespero, pavor e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente. Essas crises fazem com que o indivíduo não leve uma vida normal, pois ele tem medo de que as crises voltem e evitam situações de perigo. Por exemplo, se a crise ocorreu em um elevador, é comum o paciente não querer mais voltar a utilizar o elevador no trabalho ou em casa.   Causas A Ciência acredita que um conjunto de fatores possa desencadear o desenvolvimento deste transtorno, como: Genética; Estresse; Temperamento forte e suscetível ao estresse; Mudanças na forma como o cérebro funciona e reage a determinadas situações.   Sintomas Ataques de pânico característicos da síndrome geralmente acontecem de repente e sem aviso prévio, em qualquer período do dia e também em qualquer situação, como enquanto a pessoa está dirigindo, fazendo compras no shopping, em meio a uma reunião de trabalho ou até mesmo dormindo. O terror toma conta do seu corpo, o seu coração dispara, você se sente sufocado, com tontura, tremores, faltar de ar, e para completar as suas pernas ficam bambas, aparece a sensação de que o ambiente é perigoso, de que você vai morrer ou ter um ataque cardíaco ou derrame, ou mesmo, ficar louco para sempre e perder o controle. O pico das crises de pânico geralmente dura cerca de 10 a 20 minutos, mas pode variar dependendo da pessoa e da intensidade do ataque. Além disso, alguns sintomas podem continuar por uma hora ou mais. É bom ficar atento, pois muitas vezes um ataque de pânico pode ser confundido com um ataque cardíaco. As crises de pânico geralmente manifestam os seguintes sintomas: Sensações de falta de ar ou sufocamento; Tontura e fraqueza; Aumento da frequência cardíaca; Palpitações; Aumento da produção de suor; Sensação de calor ou calafrio; Dor no peito ou no estômago; Formigamento; Tremores; Náusea ou desconforto abdominal; Medo de perder o controle ou enloquecer; Medo de morrer ou de uma tragédia iminente; Sensação de perigo iminente, dentre outros sintomas.   Diferença entre Síndrome do Pânico e Ansiedade A síndrome do pânico é um tipo específico de transtorno dentro dos quadros ansiosos. Costuma ocorrer em crises, isto é, vêm "do nada" e de forma muito intensa. A ansiedade é um estado mais constante, portanto é um estado menos sujeito a variações, altos e baixos e crises, que a síndrome do pânico. A principal diferença está nas gradações, no modo como a ansiedade se distribui. É importante ressaltar que um quadro ansioso pode evoluir para um quadro de pânico e vice-versa.   Tratamento A Síndrome do pânico é diagnosticada por um psiquiatra a partir da avaliação dos sintomas apresentados. Se você teve ou tem qualquer sintoma típico de crises de pânico, procure ajuda o quanto antes. Os ataques são difíceis de controlar por conta própria e podem piorar se não houver acompanhamento de um profissional e tratamento adequados.  O principal objetivo do tratamento da Síndrome do Pânico é reduzir o número de crises, assim como sua intensidade e recuperação mais rápida. As duas principais formas de tratamento para esse transtorno é por meio de psicoterapia e medicamentos. Ambos têm se mostrado bastante eficientes.  Existem diversas formas de psicoterapia, sendo a mais estudada e que comprovadamente tem efeitos benéficos nesse transtorno a chamada de Psicoterapia Comportamental. Ela poderá ajudar o paciente a entender os ataques de pânico, a como lidar com eles no momento em que acontecerem, ajuda o paciente a aprender diferentes maneiras de como pensar e reagir em situações de perigo, reduzindo então a ansiedade e o medo principalmente de situações em que o paciente evita por conta das crises. É importante lembrar que a cura desta doença depende da sua gravidade e da dedicação do paciente ao tratamento, havendo pessoas que conseguem se curar totalmente ou controlar com maior facilidade os sintomas da doença.   
LEIA MAIS
TDHA- Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade

O que é? O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), é um transtorno neurobiológico, que atinge várias partes do cérebro, causando falta de atenção, desinteresse, inquietude, impulsividade.  Geralmente aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Vale ressaltar que esse transtorno não é adquirido, o indivíduo nasce com o mesmo e com o tempo os sintomas vão aparecendo.    Causas Existem pesquisas por todo o mundo, onde procuram saber a causa do desenvolvimento de TDHA, a maioria dessas pesquisas apontaram que as causas do TDHA são multifatoriais, entre eles a base orgânica neurológica, a hereditariedade, o que é ingerido durante a gravidez, sofrimento fetal, problemas familiares, e até mesmo a exposição ao chumbo poderá causar no bebê a probabilidade maior de desenvolver esse transtorno, entre outros.   Sintomas Os sintomas podem ser identificados na infância, muitas vezes os pais, professores, identificam a falta de interesse expressiva da criança, falta de atenção nas atividades desenvolvidas, inquietude e a impulsividade.  A pessoa pode ter três diferentes graus de TDAH: Leve: Poucos sintomas estão presentes além daqueles necessários para fazer o diagnóstico, e os sintomas resultam em não mais do que pequenos prejuízos no funcionamento social, acadêmico ou professional Moderada: Sintomas ou prejuízo funcional entre “leve” e “grave” estão presentes Grave: Muitos sintomas além daqueles necessários para fazer o diagnóstico estão presentes, ou vários sintomas particularmente graves estão presentes, ou os sintomas podem resultar em prejuízo acentuado no funcionamento social ou profissional. O DSM-5 tem alguns critérios que definem o diagnóstico de uma criança ou adulto com TDAH. Em primeiro lugar, é necessário que a pessoa apresente um padrão persistente de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade que interfira no funcionamento e no desenvolvimento. Para tanto, ela precisa apresentar sintomas destes dois aspectos. Sintomas comuns de desatenção: -Deixar de prestar atenção a detalhes ou comete erros por descuido em atividades escolares, de trabalho ou durante outras atividades; -Ter dificuldade de manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas; -Não escutar quando lhe dirigem a palavra; -Não seguir instruções e não termina deveres de casa, tarefas domésticas ou tarefas no local de trabalho; -Ter dificuldade para organizar tarefas e atividades; -Evitar, não gostar ou relutar em se envolver em tarefas que exijam esforço mental prolongado (tarefas escolares, deveres de casa, preparo de relatórios etc.); -Perder objetos necessários às tarefas ou atividades; -Ser facilmente distraído por estímulos externos (para adolescentes mais velhos e adultos pode incluir pensamentos não relacionados); -Ser esquecido em relação a atividades cotidianas.; Sintomas comuns de hiperatividade e impulsividade: =Remexer ou batucar mãos e pés ou se contorcer na cadeira; - Levantar da cadeira em sala de aula ou outras situações nas quais se espera que permaneça sentado (sala de aula, escritório, etc.); -Correr ou subir nas coisas, em situações onde isso é inapropriado ou, em adolescentes ou adultos, ter sensações de inquietude; -Ser incapaz de brincar ou se envolver em atividades de lazer calmamente; -Não conseguir ou se sentir confortável em ficar parado por muito tempo, em restaurantes, reuniões, etc; -Falar demais; -Não conseguir aguardar a vez de falar, respondendo uma pergunta antes que seja terminada ou completando a frase dos outros; -Ter dificuldade de esperar a sua vez; -Interrompe ou se intrometer em conversas e atividades, tentar assumir o controle do que os outros estão fazendo ou usar coisas dos outros sem pedir; Em geral, é preciso que a criança apresente seis ou mais desses sintomas por mais de seis meses antes de ser feito o diagnóstico. Já em adultos ou adolescentes (com mais de 17 anos), é preciso apresentar apenas cinco destes sintomas.   Tratamento Apesar desta complexidade, há diversas alternativas de tratamento, que podem aliviar os sintomas, melhorando muito a qualidade de vida. Mesmo que não possa ser "curado", o TDAH pode e deve ser bem gerenciado.  O tratamento do TDAH requer uma abordagem multidisciplinar, com vários profissionais da saúde, como médicos, neurologistas, psicólogos e psiquiatras.  A Psicoterapia Comportamental tem sido um tratamento bastante eficaz na reversão dos sintomas do Distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade. Por meio da Psicoterapia Comportamental, o cliente irá encontrar maneiras de redirecionar sua atenção, mudar o modo de como se sente, aprender estratégias de resolução de problemas, monitorias, controle de tempo e de raiva, assim como controle de agressividade.     
LEIA MAIS
Transtorno Bipolar

O que é? O Transtorno Bipolar é um transtorno mental que causa mudanças constantes de humor. As pessoas alternam entre períodos de muito bom humor e períodos de irritação ou depressão. As chamadas "oscilações de humor" entre a mania e a depressão podem ser muito rápidas e podem ocorrer com muita ou pouca frequência. Os sintomas do Transtorno Bipolar são graves, podendo resultar em relacionamentos prejudicados, desempenho insatisfatório no trabalho e na escola e até mesmo suicídio. Entretanto o Transtorno Bipolar pode ser tratado e as pessoas conseguem ter uma vida saudável e produtivas.   Causas Há fatores conhecidos por desempenharem papel no risco para essa doença mental, como: Hereditariedade: o transtorno bipolar ocorre mais freqüentemente em membros da mesma família e pode ser levado por gene herdado de um ou ambos os pais. Alterações químicas: pessoas com transtorno bipolar têm alterações químicas no cérebro que estão sendo estudadas para saber se são causa ou efeito. Estresse: situações que causam estresse incomum podem engatilhar episódio maníaco-depressivo. Quem sofre de transtorno bipolar é mais sensível as dificuldades e fatores externos que podem agravar seus sintomas e potencializar o paciente para nova uma crise. Mudanças de ambiente, traumas de violência e abuso sexual são fatores que determinam aumento do sofrimento do indivíduo ou podem trazer à tona mais um novo ciclo da doença.   Sintomas As pessoas com Transtorno Bipolar vivenciam estados emocionais intensos fora do comum em períodos distintos chamados "episódios de humor". Um estado de supraexcitação ou alegria exagerada é chamado de episódio maníaco e um estado extremamente triste e de desesperança é chamado episódio depressivo. Às vezes, um episódio de humor inclui ambos os sintomas de episódios maníacos e depressivos. Isto é chamado de estado misto. Portadores do Transtorno Bipolar também podem ficar explosivos e irritados durante um episódio de humor. Mudanças extremas na energia, atividade, sono e comportamento acontecem juntos com estas mudanças de humor.  Uma pessoa pode estar tendo um episódio de transtorno bipolar se ele ou ela apresenta um número de sintomas maníacos ou depressivos ao longo do dia, quase todos os dias, por pelo menos uma ou duas semanas. Às vezes os sintomas são tão graves que a pessoa não consegue funcionar normalmente no trabalho, escola ou em casa Durante a fase de mania, a pessoa pode sofrer dos seguintes sintomas: •Sentir-se como “no topo do mundo” e ter abundância de energia;  •Parecer falar e pensar rapidamente; •Expor numerosas idéias; •Pensar que é invencível; •Ter comportamentos imprudentes ou perigosos para si e outros ao redor; •Ter delírios de fama; •Sofrer de falta de sono, ser facilmente distraída e freqüentemente irritável; Durante a fase depressiva, podem aparecer os seguintes sintomas: •Sentimento de falta de esperança; •Perda de todo o interesse em outras pessoas e atividades usuais; •Sofrer flutuação de peso; •Sentimento de cansaço contínuo; •Dormir mais que o comum ou ter insônia; •Queixa de dores inexplicáveis; •Problemas de concentração; •Risco de suicídio;   Tratamento O tratamento adequado para a pessoa com esse transtorno, consiste no auxílio médico (psiquiatra) que muitas vezes entrará com medicação e do auxílio do psicólogo.  Através da psicoterapia o paciente aprende a lidar com situações e pessoas de modo a evitar episódios maníaco-depressivos. Uma pessoa com transtorno bipolar, que recebe tratamento apropriado, pode ter vida normal em casa e no trabalho. Os amigos e familiares desempenham papel fundamento no tratamento do transtorno bipolar, pois as pessoas com esse transtorno precisam de apoio e encorajamento.       
LEIA MAIS
Vício: Jogos de azar

O que é vício em jogos de azar? O jogo é um dos vícios que mais pode causar prejuízo as pessoas pois vem junto com a ilusão de dinheiro fácil e pode levar rapidamente o indivíduo à ruína financeira. As probabilidades nunca estão a favor do viciado em jogos. Como existem diferentes tipos de jogo, existem também diferentes tipos de vício em jogos. Jogos de azar não estão restritos a máquinas caça-níqueis, jogos de cartas e cassinos. A loteria, jogo do bicho, entrar em uma rifa ou fazer uma aposta com um amigo também são formas de jogo. Para a psicologia, todos podem se tornar viciados em jogos, pois, a dependência é um transtorno psiquiátrico e, por isso, pode acometer qualquer pessoa. Dessa forma, é importante esclarecer os limites entre o jogador normal e o patológico”.   Normal X Patológico Um jogador de cartas considerado normal é aquele que joga apenas pelo prazer de estar entre os amigos, por exemplo. Ele não aposta valores e se o faz, coloca números meramente simbólicos. O jogador normal joga recreativamente, divertindo-se. Tais jogos ocorrem esporadicamente, aos domingos, churrasquinhos com amigos, jantar da empresa. Por outro lado, o jogador patológico é aquele que precisa jogar quase ou todos os dias, e na impossibilidade de jogar o jogo na vida real, busca versões virtuais para que possa amenizar a fissura da falta do jogo. O jogador patológico não joga por recreação e, sim, por compulsão. Há sempre dinheiro envolvido nas apostas, e dependendo do grau da patologia, o jogador vai apostando os bens que lhe resta.  O azar também atinge a família do apostador. Ocorre que a família só vai perceber os efeitos do jogo patológico quando o jogador já estiver em um estágio avançado da doença. Assim, quando a família sentir os efeitos da patologia, pode ser tarde. E os efeitos são devastadores. A família pode começar a perceber mudanças no comportamento financeiro do jogador. Em casos mais graves, ele vende o carro, a casa e a família se vê, além de desabrigada, endividada.   Causas Muitos fatores podem contribuir para o vício em jogos, incluindo o desespero por dinheiro, o desejo de experimentar emoções fortes, o status social associado a ser um jogador bem sucedido e a atmosfera divertida da cena de jogos de azar. Infelizmente, uma vez que um vício de jogo toma forma, quebrar o ciclo é difícil. Vícios severos podem tomar conta quando alguém se sente desesperado financeiramente e quer recuperar o que eles perderam. Uma vez que a pessoa finalmente ganhar, raramente é suficiente para cobrir o que já foi perdido. A maioria dos jogadores nem sequer chegam perto de repor o mínimo que “investiram” no jogo.    Sintomas Os sinais de um problema de jogo são muitas vezes os mesmos que os sinais de outros vícios. Os sinais comuns de dependência incluem: •Sentir a necessidade de esconder a prática de jogos de azar; •Ter problemas para controlar os hábitos de jogo; •Jogar quando você não pode se dar ao luxo de gastar; •Seus amigos e familiares expressam preocupação com seus hábitos de jogo; •Como com qualquer outro vício, o sinal de um problema de jogo é que você sente que não pode e não consegue parar. Se você sente que precisa tentar mais uma vez, ou se sente ansiedade quando pensa em desistir, é altamente provável que esteja sofrendo de um vício em jogos de azar; •A pessoa tende a fazer apostas arriscadas para experimentar a emoção associada com a tomada de grandes riscos; •Muitos jogadores acabam se voltando para outros tipos de vícios, como álcool, drogas, para aliviar a ansiedade provocada pela vida de jogos; •Estas patologias também vêm, normalmente, associadas com uma disfunção social que faz o paciente perder qualquer interesse na suas obrigações sociais, tornando-se insensível aos sentimentos das outras pessoas. •Ansiedade; •Depressão; •Enxaqueca; •Sentimentos de culpa e vergonha; •Isolamento social; •Ataques cardíacos; •Pensamentos e tendências suicidas; •Insônia; •Tensão muscular; •Oscilações de humor.   Tratamento Se você ou um ente querido quiser parar de jogar, mas não sabe por onde começar, é importante procurar a ajuda profissional de um psicólogo para o pontapé inicial.  Embora o jogo não possa ser tratado diretamente com medicações, é possível aliviar a ansiedade e a depressão que resulta do jogo. Com o psicólogo, principalmente na terapia comportamental, é possível adotar mudanças de comportamento que ajudam na melhora do vício. Parar de jogar não é tarefa fácil, mas é algo que pode ser feito com a ajuda de um grupo de apoio e um programa de tratamento. Pode ser difícil começar o caminho para a recuperação sem a assistência de profissionais que ajudem as pessoas através do processo. Amigos e familiares são vitais para uma recuperação completa, mas eles podem não saber como melhor ajudá-lo. A prática do jogo patológico também pode ser resultado de um mecanismo de defesa chamado “fuga”. Se esse for o caso, primeiro, é preciso que o jogador identifique do que se está fugindo ou tentando fugir. A patologia do vicio em jogos assemelha-se ao uso de drogas, pois, embora ele saiba que lhe faz mal, ele volta usar mais um pouco com a fantasiosa ideia “a hora que eu quiser eu paro!” Portanto, assim como na dependência química o tratamento é possível. Mas somente é possível quando o jogador patológico reconhece que está enrolado em uma teia de aranha que ele mesmo teceu e que para sair dessa teia ele precisa de ajuda.  
LEIA MAIS
Ansiedade

O que é Ansiedade? Vivemos atualmente uma epidemia de casos de ansiedade. O ritmo frenético de vida, aliado a predisposição individual resulta em uma parcela significativa da população com sintomas ansiosos e perda de qualidade de vida. A ansiedade é um processo físico e mental ativado em situações de medo, receio, diante do desconhecido e em momentos de tensão emocional. Ela pode ser NORMAL ou PATOLÓGICA. A ansiedade é algo que faz com que as pessoas entrem em ação, mas em excesso ela pode se tornar patológica, ou seja, um estímulo que ao invés de beneficiar, acaba prejudicando a pessoa.   Ansiedade Normal Trata-se de um sentimento de receio, aflição, com algumas alterações físicas. Os sintomas são autolimitados, direcionados a uma situação peculiar e são proporcionais ao risco envolvido. Todo mundo se sente ansioso em situações como: dia do casamento, tentativa de assalto, montanha russa, entrevista de emprego, apresentação importante, etc. A ansiedade NORMAL ajuda o ser humano, cria um ambiente cognitivo para tomada rápida de decisões.   Ansiedade Patológica  Ela se torna doença quando passa a ser direcionada a situações comuns do dia-a-dia, ou quando é uma resposta absolutamente desproporcional ao risco. Seja como for, a doença é definida quando surge impacto na qualidade de vida da pessoa. Esse tipo de ansiedade limita a percepção e dificulta a tomada de decisões, evoluindo com restrição social e impactando negativamente diversos aspectos da vida da pessoa. Podemos tomar como exemplo, uma pessoa que não dirige o carro porque fica extremamente ansiosa com a  simples ideia de dirigir, nesse caso a ansiedade é prejudicial à pessoa. Como podemos perceber o que diferencia a Ansiedade Normal da Patológica é a INTENSIDADE e os impactos na funcionalidade do indivíduo.    O que causa a ansiedade?  A causa é complexa e varia de caso a caso. Existe uma predisposição genética, nestes casos, as manifestações podem ser bastante precoces, sendo a pessoa desde cedo uma criança agitada, às vezes hiperativa, que chora com facilidade e às vezes até com dificuldade de dormir. Mas vários fatores ambientais também podem determinar ou descompensar os sintomas. O ritmo de vida, os ambientes, o tipo de criação e a presença de traumas pontuais podem culminar na amplificação da ansiedade normal e iniciar a doença propriamente dita.    Sintomas O corpo fica tenso, existe uma necessidade de se movimentar fisicamente (mexer pés ou mãos e inquietação em geral), a respiração fica mais acelerada e o pensamento fica agitado (muitas ideias passam pela cabeça de forma acelerada). Algumas vezes a cabeça fica confusa e não se sabe direito o que se quer. Sintomas físicos: Taquicardia, falta de ar, tremores, dor no peito, fome, dor no estômago, diarreia, tensão muscular, boca seca, roer as unhas, dor de cabeça, calafrio, vertigem, mãos suadas, disfunção alimentar (engordar ou emagrecer), etc. Sintomas psíquicos: Angústia, medo excessivo ou irracional (como medo de animais, de elevador, de avião), fobias, perfeccionismo, irritabilidade, nervosismo, intolerância, insônia, sensação de morte iminente, dificuldade de falar em público, pânico, etc.   Tratamento Quando a Ansiedade é elevada ou intensa e o indivíduo não mais a controla e percebe que sua vida está sendo prejudicada pelos sintomas da ansiedade, ele precisa de um tratamento psicoterapêutico e/ou medicamentoso. A combinação de Psicoterapia e medicamento, muitas vezes é o modelo ideal de tratamento para a ansiedade, o medicamento vem para amenizar os sintomas enquanto a psicoterapia vai trabalhar as causas e os motivos pelos quais a pessoa se tornou ansiosa. A Psicoterapia é uma opção de tratamento muito aconselhada. É um encontro com uma pessoa especializada, onde o paciente fala sobre seus sentimentos, ansiedades, preocupações, etc.  O primeiro ponto a ser abordado durante a psicoterapia, é o de ampliar a consciência do paciente a respeito de sua postura perante os problemas da vida diária, ou seja, como ele está dando conta da vida, o que ele faz em relação às demandas que a vida lhe impõe. Dessa forma a pessoa pode perceber onde ela pode estar errando ao lidar com esses problemas e como ela pode estar fazendo de coisas mínimas uma grande catástrofe em sua vida. Revertendo esse tipo de pensamento, a pessoa passa a ter recursos eficazes para lidar com a ansiedade, encontrando novas maneiras de ver e enfrentar determinadas situações, fazendo com que o paciente sinta menos ansioso, além de aprender técnicas para diminuir a ansiedade. Grande parte das pessoas que seguem o tratamento citado acima, em poucas semanas sentem uma melhora significativa e retornam a suas atividades diárias.  
LEIA MAIS
Ciúmes

O que é? O dicionário português da Porto Editora apresenta três definições para a palavra ciúme: “Inveja de alguém que usufrui de uma situação ou de algo que não se possui ou que se desejaria possuir em exclusividade.” “Sentimento de possessividade em relação a algo ou alguém.” “Sentimento gerado pelo desejo de conservar alguém junto de si; sentimento gerado pela suspeita da infidelidade de um parceiro.” O ciúme é uma manifestação provocada pela falta de confiança no sentimento do outro, que é transformada em medo de perder o parceiro. O ciúmes também pode adquirir um significado mais amplo, não necessariamente associado ao sentimento partilhado entre pessoas, pode ser produzido pelo apego exagerado a algum bem material não querendo partilha-los com outra pessoa. Por exemplo: ciúme dos livros, dos DVDs, do carro etc.  A pessoa ciumenta, costuma, checar o celular e as ligações recebidas do parceiro constantemente, quer saber quem enviou mensagens, que e-mails recebeu e por qual motivo, com quem falou e sobre o que, onde está e a que horas voltará, quem são os amigos e porque os têm; acha que se a pessoa se arruma para sair, mesmo que seja para o trabalho, está "se arrumando para encontrar o amante"; se há algum atraso é motivo de brigas e questionamentos intermináveis; e por mais que tente aliviar seus sentimentos, nunca estará satisfeito. A vida a dois transforma-se num verdadeiro martírio. Se usarmos o ciúmes como meio de controlar nossos parceiros, iremos afastá-los cada vez mais.   Ciúmes patológico (doentio) Existe uma diferença entre o ciúmes normal e o ciúmes patológico, o ciúmes normal seria transitório, específico e baseado em fatos reais e o patológico seria uma preocupação infundada, irracional e descontextualizada.  No ciúme patológico há o desejo inconsciente da ameaça de um rival, assim como o desejo obsessivo de controle total sobre os sentimentos e comportamentos do outro. Caracteriza-se por se exagerado, sem motivo aparente que o provoque, deixando o ciumento absolutamente inseguro e transformando-o num tremendo controlador, cerceador da liberdade do outro, podador de qualquer atividade que o parceiro queira fazer sem que ele esteja presente. Uma pessoa pode avaliar a possibilidade de ter entrado no nível de ciúmes patológico, o qual precisa de ajuda psicológica, quando ocorrem prejuízos de alguma forma, por exemplo, perde tempo em seu trabalho querendo saber por onde anda e o que a pessoa de quem sente ciumes está fazendo; liga para monitorar os passos, tal qual um detetive; perde o sono por ciúmes, acorda no meio da noite pensando “o que será que ele (ela) está fazendo?”; fica nervoso (a) quando não localizou o objeto de ciume, etc. Outro exemplo é, mesmo que a pessoa tenha ciúmes de que o namorado vá à casa da mãe dele, claro que ela não acha que ele vai ter um caso com a mãe, mas nos ciúmes patológico ela pensa que ele vai dividir o amor, que “deveria” receber com exclusividade.    O que causa o ciúmes? São varias as causas em que levam as pessoas a sentirem ciúmes. Em muitos casos tal comportamento foi aprendido com o pai ou a mãe, também ciumentos, passando a falsa ideia de que esse jeito de funcionar é o normal. Quando você vive em uma família cujas características principais são o controle, o cuidado excessivo, o zelo e preocupação com os filhos, cresce achando que assim deve ser, pois esse foi o modelo aprendido. Em outros casos, devido a relacionamentos anteriores que eram repletos de insegurança e/ou traições. Também a desvalorização de si mesmo é uma das causas mais importantes do ciúmes intenso.    Sintomas A pessoa que sente ciúmes tem, por norma, pensamentos e sentimentos negativos em relação à ameaça de perda de algo que possui e que lhe é muito importante e precioso. Juntamente com a própria emoção que é o ciúme, juntam-se várias outras emoções, igualmente poderosas: medo, ansiedade, incerteza, insegurança, desconfiança, humilhação, tristeza, desgosto, raiva, descontrole, vingança, depressão, vergonha, entre outros.    Tratamento A psicoterapia é fundamental para que se trabalhem questões profundas ligadas ao aparecimento do ciúme, geralmente envolvendo dinâmicas familiares complicadas, insegurança. O Psicólogo também analisará juntamente com o paciente a racionalidade desse ciúmes, o quanto isso está limitando a tranquilidade mental da pessoa e o que está provocando em sua vida, quanto de sofrimento psicológico ela está passando. Um outro foco do tratamento é o aumento da auto-estima da pessoa enciumada, pois quando a auto-estima está rebaixada causa a sensação de insegurança e consequentemente deixamo-nos levar pela imaginação.   
LEIA MAIS
Depressão

O que é DEPRESSÃO? Muitos de nós, já passamos, ao longo da vida, por períodos de altos e baixos, há dias que ficamos infelizes e desmotivados. A tristeza é uma reação comum às situações cotidianas. Mas, quando o vazio e o desespero tomam conta de seus dias, sendo permanente e comprometendo várias áreas da sua vida, como a social, profissional e familiar, podemos estar falando de depressão.  No consultório, alguns pacientes descrevem a depressão como viver em um buraco negro, um buraco sem portas, janelas e saídas. A pessoa deprimida acaba não vendo mais sentido e significado em nada que faz, como se sua vida fosse vazia e apática. Perde-se o prazer em fazer coisas que antes eram significativas, perde-se o prazer até mesmo em viver. A pessoa deprimida, acaba deixando de interessar-se pelos amigos, famílias, lazer, hobbies, saúde e trabalho. Se sente esgotada o tempo todo e só deseja ficar trancada em seu quarto. O sentimento de desamparo, desesperança, inutilidade são frequentes.  A depressão pode aparecer em diversas idades, sua intensidade pode variar de intensidade leve a grave, podendo ocorrer episódios com períodos de remissão e recaída. É estimada como um dos principais fatores mundiais de incapacitação.    O que causa a DEPRESSÃO? A depressão é uma doença multifatorial, ou seja, existem várias causas envolvidas em seu aparecimento. Embora os fatores genéticos possam fazer com que uma pessoa seja mais predisposta à depressão do que outra, acredita-se que os fatores sociais, ambientais e psicológicos e desequilíbrios químicos no cérebro também podem influenciar.    SINTOMAS Perda do interesse por atividades ou prazeres da vida; Baixa autoestima; Alterações no padrão de sono e alimentação; Diminuição de atenção e concentração; Visão negativa do futuro; Irritabilidade; Indecisão; Medo; Dores inexplicáveis; Diminuição do interesse sexual; Apatia; Falta de entusiasmo; Lentidão de pensamentos e movimentos; pensamentos preponderantes de culpa, pensamentos e/ou planos suicidas.  As pessoas com depressão leve geralmente podem continuar trabalhando e dando conta das suas responsabilidades, mas funcionam abaixo do seu nível normal. Já as pessoas diagnosticadas com depressão grave, dificilmente conseguem manter o ritmo profissional e social satisfatórios.    DIAGNÓSTICO O DSM-IV lista alguns dos critérios para o diagnóstico da depressão: 1. Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias. 2. Acentuada diminuição do interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias. 3. Perda ou ganho significativo de peso sem estar em dieta (ex: mais de 5% do peso corporal em um mês), ou diminuição ou aumento do apetite quase todos os dias. 4. Insônia ou hipersonia quase todos os dias. 5. Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias. 6. Fadiga ou perda de energia quase todos os dias. 7. Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada (que pode ser delirante) quase todos os dias. 8. Capacidade diminuída de pensar ou concentrar-se, ou indecisão, quase todos os dias. 9. Pensamentos de morte recorrentes (não apenas medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, tentativa de suicídio ou plano específico para cometer suicídio. Obs: No mínimo cinco dos seguintes sintomas presentes durante o período de duas semanas recebem a classificação de depressão leve. Usa-se a classificação grave quando o paciente apresenta mais do que cinco sintomas e quando o grau de prejuízo interfere acentuadamente no funcionamento do indivíduo.   TRATAMENTO Quando você está deprimido, as coisas podem parecer-lhe inúteis, sem sentido, mas com o tratamento certo, ajuda e apoio você pode ficar melhor e pouco a pouco sair dessa tormenta. Para o tratamento da depressão, faz-se necessário o auxílio médico (psiquiatra) que muitas vezes entrará com alguns medicamentos e do auxílio do psicólogo.  Conforme estudos, a psicoterapia comportamental vem se mostrando muito eficaz para o tratamento da depressão, ela focaliza-se em como o comportamento das pessoas atinge a sua capacidade de receber reforço positivo vindo do ambiente. Como o reforço aumenta a frequência mensurável do comportamento, a incapacidade que uma pessoa tem de receber reforço para um comportamento saudável afeta diretamente os sintomas depressivos. Um dos principais objetivos da terapia comportamental é aumentar a quantidade de reforços positivos, detectando atitudes que restringem as atividades sociais, de lazer, profissional, melhorando assim sua qualidade de vida, contribuindo assim, para que o paciente desenvolva um maior sentimento de autoconfiança, autoestima e independência para lidar com situações adversas do cotidiano.   
LEIA MAIS
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo

O QUE É TOC?
O TOC é um transtorno mental caracterizado pela presença de obsessões, compulsões ou ambas. As obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos que vem à mente da pessoa causando acentuada ansiedade ou desconforto independente da vontade do indivíduo. Muitas vezes a pessoa percebe que suas ideias não tem sentido, mas mesmo assim não consegue evitar de pensá-las. Como resposta a esse desconforto, o indivíduo executa rituais ou compulsões com intenção de afastar ameaças ou aliviar algum desconforto. Se a pessoa não executa o ato compulsivo ela fica muito ansiosa.
Apenas uma mania não indica necessariamente que a pessoa sofra da doença. O que caracteriza o TOC são obsessões ou compulsões recorrentes, que consomem tempo e causam sofrimento à pessoa. Quando estes atos ao invés de ajudar ao indivíduo passam a tomar muito tempo do dia e a interferir negativamente na rotina da pessoa, tornam-se doenças. É importante analisar se os tais hábitos repetidos comprometem o rendimento, já que o tempo de trabalho, por exemplo, é gasto com as manias ou com os pensamentos que as envolvem.

SINTOMAS
O TOC pode ser identificado em indivíduo que tem compulsões frequentes como lavar as mãos várias vezes ao longo do dia, medo exagerado de se contaminar, gerando preocupações excessivas com limpeza e higiene pessoal, verificar se a porta está trancada revisando tal ato repetidas vezes, executar minuciosamente uma série pré-programada de atos, questionar uma informação repetidamente para ver se está correta, ficar aflito por que as roupas não estão bem arrumadas no guarda-roupa, separadas por cor ou posicionados simetricamente, não passar em certos lugares com receio de que algo de ruim possa acontecer, com isso os indivíduos que tem esse transtorno procuram evitar o contado com determinados locais (por exemplo, banheiros públicos, hospitais, cemitérios), objetos que outras pessoas tocam (dinheiro, telefone público, maçanetas) ou até mesmo pessoas (mendigos, pessoas com algum ferimento) como forma de obter alívio dos seus medos e preocupações. Em geral, os rituais  se desenvolvem nas áreas da limpeza, checagem ou conferência, contagem, organização, simetria, colecionismo, e podem variar ao longo da evolução da doença. Esses são alguns dos exemplos de sintomas característicos desse transtorno.
Vale ressaltar que, para que seja estabelecido o diagnóstico de TOC  é necessário que as obsessões ou compulsões consumam um tempo razoável (por exemplo, tomam mais de uma hora por dia) ou causem desconforto, comprometendo a vida social, ocupacional, acadêmica ou outras áreas importantes do funcionamento do indivíduo.

CAUSAS
A causa mais comum é a genética, quando alguém da família sofre ou sofreu desse tipo de transtorno, é comum verificar outras pessoas com o mesmo transtorno ou parecido. Estudos apontam para uma anomalia multifatorial devido um problema de comunicação em algumas áreas do cérebro ligadas à serotonina. Fatores psicológicos também estão entre as possíveis causas desse distúrbio de ansiedade. Como muitas das causas do TOC ainda são desconhecidas, não é possível falar de uma cura definitiva deste transtorno. No entando, existem tratamentos que podem amenizar os seus sintomas ou mesmo facilitar o convívios com eles, como é o caso da psicoterapia.

TRATAMENTO
O tratamento do transtorno obsessivo compulsivo envolve a combinação de medicamentos e psicoterapia. A psicoterapia mais estudada é a terapia comportamental, através da qual o paciente é estimulado a controlar seus pensamentos obsessivos e rituais compulsivos, auxiliando também o paciente a lidar com as situações de ansiedade que agravam a doença.
O percurso desse transtorno evolui com períodos de melhora e piora e com o tratamento adequado há um controle satisfatório dos sintomas.   
LEIA MAIS
Síndrome de Burnout

O QUE É? Nos dias de hoje, é comum conhecer alguém que sofre com constante crises de estresse, mas quero falar aqui de um estresse que é gerado pelas condições desfavoráveis no trabalho, que vem deixando cada vez mais pessoas adoecidas, ocasionado muitas vezes, pela má administração das empresas, chefes abusivos, autoritário e que não respeitam seus funcionários, ambiente laboral em más condições, funcionários com sobrecarga de tarefas e funções, rotina exaustante, dentre diversos outros fatores. A Síndrome de Burnout também é conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional. O termo Burnout foi criado pelo psicanalista Herbet Freudenberger em 1974 para descrever o adoecimento que ele observou em si mesmo e em seus colegas no ambiente de trabalho.
Essa doença é causada por vários fatores, ocorrendo principalmente em indivíduos que se sentem exaustos psicologicamente, emocionalmente e fisicamente, devido ao estresse excessivo provocado pelo trabalho. Como consequência, essas pessoas acabam tendo uma vida profissional desgastante, sobrecarregada, com pouco tempo livre, muitos deveres e poucos prazeres.
Essa síndrome é muito comum em profissionais que tem que lidar com pressão e responsabilidades constantes.

SINTOMAS
Dor de cabeça, enxaqueca, cansaço, palpitação, ataques de pânico, isolamento, desânimo, mudanças de humor, irritabilidade, baixa autoestima, depressão, ansiedade, lapsos de memória, dificuldade de concentração, mau humor, dores musculares, insônia, pressão alta, diminuição no rendimento, desorganização, erros constantes, diminuição do entusiasmo e prazer pelas coisas, ganho ou perda de peso, bruxismo (ranger dentes durante o sono), restless legs (pernas intranquilas), olheiras, diminuição da libido, distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares.
Quando o paciente com Síndrome de Burnout faz o tratamento de forma adequada podem surgir sinais de melhora, como maior rendimento no trabalho, maior confiança, diminuição dos sintomas apresentados. Porém, quando o paciente não faz o tratamento, sinais de piora podem surgir, como a perda total da motivação em relação ao emprego, faltas frequentes, desenvolvimento dos sintomas de forma mais avançada.

TRATAMENTO
O tratamento inclui Psicoterapia e dependendo do caso, uso de antidepressivos. Além disso, faz-se necessário uma mudança na rotina do paciente, atividades físicas, dormir e alimentar-se bem, manter uma vida social satisfatória, e exercícios de relaxamento devem entrar para a lista, pois, ajudam a controlar e aliviar os sintomas.
O tratamento psicológico é muito importante para quem possui a Síndrome de Burnout, pois o psicoterapeuta ajuda o paciente a encontrar estratégias para combater o estresse, ajudando a aprofundar seu autoconhecimento e a ganhar mais segurança no seu trabalho.
LEIA MAIS
Precisa de ajuda?
Então esta esperando o que? Agende um horário!